sábado, 19 de setembro de 2009

Papel Reagente para o Sulfato de Cobre

O Sulfato de Cobre, essencial para o tratamento e prevenção das doenças da vinha e da batata era maioritariamente importado, até que a CUF através de um processo de recuperação do cobre por lixiviação, dá inicio ao seu fabrico por volta de 1913. E como podemos observar na imagem a empresa criou de imediato 3 marcas: UVA, PARRA, e Crystal. É alias muito provável que o símbolo da marca que ilustra a capa deste caderninho existisse, em chapa, tipo anuncio, colocado nas delegações agronómicas da CUF e em locais de venda especializados, pois já vi uma chapa dessas mas respeitante à marca UVA. Esta publicação deve ser dos anos 20 ou 30, digo isto pela forma como o português está escrito. Observe-se no verso, a explicação sobre como utilizar estas tiras de papel para verificar se a proporção de sulfato para a Calda Bordalesa estaria no ponto. Pode-se ainda ler, que este papel era grátis, possivelmente oferecido aquando da compra do produto. Um testemunho de outros tempos que chegou até nos em óptimo estado de conservação.






sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Levantando Algumas questões sobre a CUF

Após a morte de José Manuel de Mello, li em diversos blogues, opiniões de muitas pessoas, e depreendi que há ainda hoje uma grande desinformação no que toca ao Grupo CUF. Sendo ainda hoje uma história que se encontra por escrever, este humilde blogue é apenas um pequeno contributo nesse sentido. Redigi pois um texto de forma a tentar esclarecer alguns desses pontos.

Uma questão central com a qual me deparei é precisamente a do "Monopolismo da CUF" e afirmações talvez feitas com alguma ingenuidade, de que "A CUF só foi aquilo que foi devido á politica industrial do Estado Novo". É preciso ter noção que quando a revolução de 28 de Maio de 1926 derrubou a Republica, dando anos depois lugar ao Estado Novo, a CUF era já a nível nacional, um grande grupo económico, presente em múltiplos sectores da vida económica: azeites, óleos alimentares, sabões, rações para animais, química (acido sulfúrico, acido clorídrico, sulfato de cobre, sulfato de sódio, etc), têxteis, navegação (Sociedade Geral de Comércio Industria e Transportes) a Banca (Casa bancária José Henriques Totta) e ainda negócios nas colónias (caso da Casa António da Silva Gouveia, criada em 1921, para a produção de oleaginosas, essenciais para o fabrico de óleos alimentares.).

Grupo tecnologicamente avançado para o País, bem como para as suas mentalidades quer fossem políticos, quer fossem industriais. O que quero eu dizer com isto? O projecto de Alfredo da Silva, não foi gizado apenas para o abastecimento e fornecimento ao país de produtos de que este carecia. Não terá sido pura coincidência que no seu périplo pelo estrangeiro, Alfredo da Silva se tivesse deparado com a figura de Auguste Lucien Stinville, um reputado Eng. Químico que ergueu pela Europa, complexos químicos. Após tornar-se amigo deste, o industrial, convida-o para erguer em terrenos recentemente comprados pela CUF no Barreiro, um moderno complexo químico, à semelhança dos que existiam um pouco pela Europa. Logo aqui nos apercebemos que a CUF não era uma empresa qualquer, pois se olharmos para 1908, observamos que o nosso tecido industrial é composto na sua grande maioria por pequenas fabricas, muitas desconhecendo modernos maquinismos e usando técnicas rudimentares. Contrastando com esta visão, aparecia a então União Fabril, (como era muitas vezes assim designada), quer fosse em termos tecnológicos (relembro que aquando da instalação das suas fábricas no Barreiro, estas já detinham tecnologia de ponta importada do estrangeiro) quer fosse já pelo admirável numero de trabalhadores, que nunca deixou de crescer até 1975.

Creio que ao longo dos tempos dirigentes políticos e governantes, nunca se tenham apercebido precisamente que a CUF, estava sempre um passo à frente quer em termos de mentalidades do país, quer em termos de realizações industriais. Fala-se muito na Lei do Condicionamento Industrial, surgida na década de 30, e afirma-se que a CUF viveu tranquila à sua sombra, mas não posso concordar com essa afirmação. Se é verdade que numa primeira fase a lei foi feita para reorganizar, alguns sectores industriais que se encontravam em grave crise (Caso do Sector Conserveiro, no qual nos anos 30 se assistiu a falências e ao fecho de várias unidades) esta mesma lei deixou de fazer todo o sentido no pós guerra, época na qual o país, deixa a sua politica de autarcia económica, e abre o país ao investimento estrangeiro. Em muitos sectores e em muito empresariado português assistimos a um imobilismo, que advém precisamente dessa Lei do Condicionamento Industrial. Porque é que sucedeu isso? A justificação é simples, nos sectores económicos sujeitos a esta lei, não era possível montar novos equipamentos ou a criação de novas empresas, sem a devida aprovação do Governo. Assim assistimos que em vários sectores, sem a existência de uma concorrência efectiva, não havia por parte do empresário, motivo para a renovação do seu parque industrial por outro mais moderno e tecnologicamente mais avançado. Sabendo que teria a suas vendas asseguradas sem novos investimentos, esse era o típico empresário que vivia à sombra da Lei do Condicionamento Industrial e do proteccionismo corporativo. O tecido industrial da CUF sempre contrastou com o que atrás foi dito, sendo constante a preocupação dos seus líderes, na implantação dos mais modernos maquinismos, e de novos processos de fabrico. Como se afirma num documentário feito a pouco tempo pela RTP sobre a CUF "causava impressão aos técnicos estrangeiros que nos anos 60 nos visitavam, o constrate da modernidade da empresa relativamente ao país". Não será por acaso que a empresa, exportava já parte da sua produção para inúmeros países do Mundo tais como: Coreia do Sul, Indonésia, Irão, Holanda, França, ou México, enquanto a maioria dos empresários se preocupava apenas com o mercado interno e respectivo ultramar. Aliás quando começam as guerras em África, serão os seus dirigentes dos primeiros a tentar convencer os governantes, que politica portuguesa tinha de evoluir. Através as publicações que assinavam, e das constantes visitas ao estrangeiros, rapidamente chegava a CUF o que de mais moderno havia lá por fora, e não só! Ainda hoje é pouco revelado que a empresa chegou a criar tecnologia 100% CUF (especialmente no que toca ao fabrico de ácido sulfúrico), é preciso frisar que tudo isto só foi possível, através de uma obra continuamente criada e apoiada pela empresa no sentido da constante formação dos seus quadros, surgindo aquilo que na época se chamou de uma "Escola da CUF". Desta escola, saíram economistas, engenheiros, e outros quadros técnicos de prestigio, alguns chegando mesmo a desempenhar funções governativas em sucessivos governos.
E será precisamente através desse "know-how" acumulado de décadas, que irá permitir a empresa, crescer, e expandir-se para os mais variados sectores da nossa economia.

A CUF foi das poucas empresas (se não a única em Portugal) a ter uma visão integrada da Industria. Quer isto dizer que a partir da casa mãe, foram surgindo empresas, conforme as necessidades do grupo, expandindo-se e diversificando-se para outros sub-sectores se assim o poderemos chamar. Quando a CUF se inicia na produção de adubos, Alfredo da Silva cedo se apercebe da necessidade de a empresa entrar na industria têxtil, dada a necessidade de sacaria em juta e linho para os adubos, comprando para isso em 1908 a Companhia de Tecidos Aliança e mais tarde a Fábrica do Rato em 1916, sendo os seus maquinismos sendo transferidos para o Barreiro, centro nevrálgico da companhia. Mas para se fazer o ácido sulfúrico, era necessária a pirite ou importar o fosfato do Norte de África, para tal surge em 1919 a Sociedade Geral de Comercio Industria e Transportes que se irá tornar numa das maiores companhias de navegação. Devido á necessidade de segurar os seus complexos industriais, e a sua companhia de navegação surge em 1942 a Companhia de Seguros Império. Como se pode ver no pensamento da empresa, para alem de valorizar e explorar as potencialidades de novas áreas para a empresa, esta criou de forma racional, negócios em cascata, que surgiram das necessidades de uma auto-suficiência da companhia. Para alem disso foi possivelmente a única empresa portuguesa, que tentou explorar ao máximo as riquezas do subsolo português, da qual possuímos uma das maiores reservas mundiais, falo da pirite. A chamada "Linha da Pirite" foi um projecto pensado por Alfredo da Silva e que se foi construindo ate ao fim da companhia. A partir da ustulação (queima) da pirite se fabricava o ácido sulfúrico, consequentemente desse processo resultavam cinzas, cinzas essas ricas em cobre, zinco, cobalto bem como o ouro e a prata, isto só para mencionar algumas. Mais uma vez numa óptica de integração surgiram no Barreiro unidades químicas de recuperação desses metais (Metalurgia do Cobre, Ouro e Prata, o TCP- Tratamento de Cinzas de Pirite, Fabrica de Oxido de Zinco etc). Inserindo-se nesta mesma politica, observe-se o interessante aproveitamento dos gases das suas unidades fabris, através de centrais a vapor, de forma a criar energia. E neste capitulo poderia-se ainda enumerar muito mais coisas.

Li ainda afirmações como esta de que "A CUF nunca poderia sobreviver ao 25 de Abril e a abertura económica do país". Achei de facto curiosa esta afirmação, sobre precisamente um dos poucos grupos económicos do país, que estava mais que preparado para a competição (tanto interna como internacionalmente) e se assim não fosse, tal como mencionei uns parágrafos acima, nos anos 50 e 60 já ela exportava em força para o estrangeiro. O seu binómio de qualidade/preço permitia-a colocar os seus adubos e outros produtos um pouco por todo o mundo a preços muito competitivos. Precisamente por ser tão tecnologicamente avançada no seu tempo, como uma BAYER, uma B.A.S.F., ou uma I.C.I., permitia-a rivalizar com reputadas marcas internacionais, com as quais alias chegou a constituir empresas, através de join-ventures.
Não nos podemos esquecer que será pela mão da CUF que a famosa consultor Mckinsey, veio ao nosso país, e esta tentou precisamente definir um programa de internacionalização da CUF por sectores. Será precisamente em plena época de internacionalização do Grupo, e que este mais necessitava de estabilidade económica, (até porque não podemos esquecer do choque petrolífero ocorrido em 1973 e que irá condicionar fortemente e economia e as actividades ligada ao ouro-negro.) surgiu a revolução de 25 de Abril de 1974, e o consequente processo das nacionalizações que puseram um travão e esse e aos vários projectos da empresa: A nova refinaria e o novo complexo químico-adubeiro de Sines, o estaleiro da Setenave, ou a FISIPE. Não tenho duvida de que se as coisas tivessem sido diferentes, e outra a transição para a democracia, hoje o Grupo CUF seria a primeira multinacional portuguesa. Em 1975 o Grupo CUF era um grupo económico tão complexo e evoluído que os governos de então tiveram de criar um decreto-lei exclusivo para a nacionalização da empresa, a partir da sua holding - a SOGEFI. Hoje em dia quando olho para empresas como a BAYER (Alemanha), a TATA (Índia), a Mitshubishi (Japão) ou a Hyunday (Coreia do Sul), enormes gigantes industriais, divididos em múltiplas divisões e empresas, olhamos precisamente para aquilo que foi no nosso país uma CUF. E se a titulo de exemplo a Huynday, contribuiu fortemente para a ascenção da Coreia a estatuto de economia desenvolvida, o mesmo se poderia ter passado em Portugal com a CUF.

P.S. - Haveria ainda muito para falar e relatar, mas para nao tornar o texto maçudo despeço-me por aqui.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

A Morte de um Capitão da Indústria - José Manuel de Mello 1927-2009

O País ficou hoje mais pobre. José Manuel de Mello, homem integro, faleceu aos 81 anos. Fecha-se um Ciclo. Hoje em Portugal temos muitos empresários, mas Industriais, esses temos já muito poucos, e José de Mello foi um desses homens, que conheceu a Industria Portuguesa por dentro. Homem da geração dos grandes complexos industriais, da química pesada, dos estaleiros navais, á navegação, juntamente como o seu irmão (Jorge de Mello) continuaram a dinâmica, herdada dos seus antecessores no então Grupo CUF, dando-lhe grande impulso e vitalidade até 1975, ano derradeiro da nacionalização do grupo. Homem de desafios, começou cedo a sua vida industrial, aos 21 anos, já estava em Chipre, a tratar das exportações dos produtos da CUF para o Médio-Oriente. Desde cedo é um apaixonado pelo mar, tendo como sonho fazer uma volta ao Mundo num veleiro, quando nos anos 60 os irmãos são chamados a ocupar, cargos de administração na empresa, José de Mello, inclina-se de imediato para a área da navegação. Percebendo as potencialidades que Portugal poderia ter na Construção e Reparação Naval, lança-se no projecto da Lisnave, que foi verdadeiramente o primeiro empreendimento nacional totalmente virado para o estrangeiro, atraindo capitais de Suecos, Noruegueses e Dinamarqueses, surgindo a CUF como testa de ponte. Certo é que apenas passados 2 anos da sua fundação, em 1969 a Lisnave, detinha 30% da reparação mundial de navios até 300 mil toneladas, um feito histórico, tornando Almada na maior estação de serviço de navios a nível mundial. Rapidamente o projecto tornou-se pequeno, anos depois, é a vez de se pensar num gigantesco estaleiro no estuário do Sado (SETENAVE) vocacionado para a construção de navios, que viria a ser inaugurado já muito perto do 25 de Abril e que nunca produziu a 100% devido aos tempos conturbados do PREC das lutas internas e dos Choques Petrolíferos. Também a Lisnave se expande, de forma a controlar as rotas do petróleo, depois da Margueira, surge, Bahrein, Jeddah, ou Curaçau, mas também aqui a revolução cortou os pés ao seu futuro promissor, e amargurado com os sucessivos governos, abandona a empresa no ano 2000. Outra das suas paixões era a Banca, promove em 1961 a fusão do Banco Totta, com o Banco Aliança do Porto, dando origem ao Totta-Aliança, para anos mais tarde (1970) criar o Banco Totta & Açores, através da fusão do Totta-Aliança, com o Lisboa & Açores, no pós 25 de abril, voltará a banca, através da criação do Banco Mello, e depois através do BCP.
Nas vésperas do 25 de Abril o Grupo CUF encontrava-se num amplo processo de internacionalização, e sendo ela o expoente máximo do capitalismo em Portugal, foi pois natural que os irmãos Mello fossem alvos de invejas e ódios, nas manifestações desses tempos conturbados chegaram a ouvir-se expressões como "Morram os Mellos". O seu irmão Jorge foi preso a 12 de Março de 1975 e levado para Caxias, onde passou uma semana, enquanto o império CUF era desmembrado a golpes de decreto-lei, através das nacionalizações. Nesse mesmo dia José de Mello dirigia-se ao aeroporto, para uma reunião da Lisnave a efectuar em Paris, não embarcou no avião, sendo retido pelos militares que o mandam para casa. Nesse período tenta ainda criar com mais alguns empresários o MDES (Movimento Dinamizador Empresa-Sociedade) que pretendia apresentar um programa de evolução económica em democracia. Na voragem das nacionalizações restou-lhe apenas 14% da Lisnave, com o apoio dos seus parceiros estrangeiros. Nos anos 80 com o fim das restrições á iniciativa privada José de Mello volta a reinvestir, compra a Sociedade Financeira Portuguesa, e transforma-a no Banco Mello, no inicio da década de 90 paga 25 milhões de contos por 50% da Seguradora Império. Uns anos depois, com o sucesso da OPA do BCP ao Banco Mello, passa a deter nesta instituição bancária uma participação de relevo. Entretanto o Grupo José de Mello expande-se para área como a Brisa, a Saúde (Hospitais e Clínicas CUF) EFACEC etc.

Termino com uma frase de José Manuel de Mello que diz muito do seu pensamento.

"Queremos marchar na senda do progresso e da constante elevação do nível de vida. Só assim os nossos filhos e as gerações futuras compreenderão a nossa acção, pois só assim seremos coerentes com o próprio desejo de trabalhar na dignificação da pessoa humana"

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Participação da CUF na construção da Barragem do Maranhão em Aviz

É sabido que durante as décadas de 40, 50 e 60, os Governos do país, fizeram uma grande aposta na chamada Hidráulica Agrícola, ou seja, a criação de obras de rega, compostas, por barragens, com canais de irrigação, beneficiando centenas/milhares de hectares, melhorando e introduzindo novas culturas agrícolas. O mais ambicioso de todos foi o chamado Plano de Rega do Alentejo, aproveitando as ribeiras do Roxo, e os Rios Caia, Divor, e Mira.

No âmbito dessa politica foi inaugurada em 1957 a Barragem do Maranhão, situada em Aviz (Portalegre) com uma capacidade de 205,4 hm³, beneficiando uma área de 1960 hectares. Possui uma central hidroeléctrica que produz em ano médio 13,1 GWh. A CUF através da sua Divisão de Metalo-Mecânica, forneceu as comportas para os descarregadores desta Barragem, e em conjunto com a firma SOFOMIL procedeu á sua montagem. Aqui ficam dois anúncios do acontecimento.