quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Mensagem de Boas Festas


Quero desejar a todos os que quase ao longo de ano e meio vêm visitando o meu Blogue, uns sinceros votos de Feliz Natal, e de um Próspero Ano Novo de 2009. Esperemos que o próximo ano, apesar das perspectivas apontadas não seja tão sombrio como dizem. Este foi o ano que a CUF comemorou 100 anos no Barreiro, dando fim a um ciclo. E por este blogue ser sobre o tema deixo-vos a todos este interessante cartão de natal. Espero que gostem.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Medalhas do Grupo Desportivo da CUF

Falando ainda do Grupo Desportivo da CUF, venho hoje apresentar-vos umas interessantes medalhas que encontrei numa feira de velharias. E como á minha pessoa tudo o que seja da vida da Empresa interessa, esta é também uma forma de mostrar um pouco da vida do Clube, e como eram as suas medalhas desportivas. Duas são referentes a torneios de Basquetebol, uma dos 23 anos do Grupo Desportivo da CUF, e por fim uma muito engraçada da inauguração do Pavilhão Gimnodesportivo (então designado como Pavilhão dos Trabalhadores, hoje Pavilhão Vitor Dominges) localizado no Lavradio, junto ao Estádio Alfredo da Silva cuja inauguração foi efectuada a 27 de Novembro de 1971. Espero que gostem.





quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Os Directores das Fábricas da CUF no Barreiro

Desta vez vou deixar uma pequena lista com todos os Directores das Fábricas do Barreiro. Cargo de extrema importância tanto no período inicial da montagem do novo Complexo, trazendo para o país novas tecnologias, e novos métodos de trabalho, que careciam de ser absorvidos pela Companhia. Bem como posteriormente da Planificação, Desenvolvimento e Modernização do Complexo Fabril durante as décadas seguintes. Esta é uma homenagem aqueles a quem até 1975, coube a Gestão e remodelação deste Complexo bem como dos problemas internos que como se sabe há em todas as empresas, mas também o é a todos os trabalhadores da CUF, pois sem eles nada do que ali se fez não teria sido possível.


Período de 1907 a 1927

Auguste Stinville (Françês) *

Pelet (Fraçês)
António Birne Pereira (Português)
Henri Casterat (Francês)
Deutsch (Alemão)
Juan Codoñer (Espanhol)


Período de Agosto de 1927 a Dezembro de 1929

Eng. Eduardo Cândido Bravo Madaíl


Período de Janeiro de 1930 a Dezembro de 1943


Eng. João Osório da Rocha e Melo


Período de Janeiro de 1944 a Outubro de 1952

Eng. Faustino d´Ascenção Rodrigues de Sousa


Período de Janeiro de 1953 a Julho de 1953
(ocupou o lugar de subdirector de Janeiro de 1951 a Dezembro de 1952)

Eng. Edgar Whanon


Período de Agosto de 1953 a Abril de 1956
(ocupou o lugar de subdirector de Janeiro de 1953 a Julho de 1953)

Eng. António Augusto Pessoa Monteiro


Período de Maio de 1956 a Julho de 1959

Eng. Ruy Rebello da Mota Guedes


Período de Agosto de 1959 a Março de 1962

Eng. Virgílio Ruy Teixeira Lopo


Periodo de Março de 1962 a Abril de 1968


Eng. José Francisco Amorim de Guimarães Serôdio (Sabrosa)


Periodo de Abril de 1968 a Janeiro de 1971

Eng. Frederico José da Cunha Mendonça e Menezes


Periodo de Janeiro de 1971 até 1975


Eng. José Manuel Faria Santos



*Auguste Lucien Stinville (1868-1949) foi o Engenheiro Quimico Francês escolhido por Alfredo da Silva, para construir de raíz no Barreiro, um complexo quimico de dimensão europeia e com a mais moderna tecnologia da sua época. O seu nome foi posteriormente imortalizado dando o nome a uma Rua, no antigo Bairro operário da CUF, no qual aliás a maioria nomes das suas ruas são uma homenagem aos grandes nomes da quimica (ex: Lawes, Dalton, Lavoisier ou Gay-Lussac).

Olhando para esta lista, apercebemo-nos que nos primeiros 20 anos, o Complexo foi dirigido por estrangeiros, maioritáriamente de origem francesa. Não causa admiração, se pensarmos que em Portugal esta era uma área para a qual ainda haveria poucos técnicos á sua altura. Será so com a criação em 1911 do Instituto Superior Técnico pelas mãos de Alfredo Bensaúde que comecarão a ser ministrados em Portugal cursos de Engenharia Quimico-Industrial, e será precisamente desse instituto que sairão os primeiros futuros quadros superiores portugueses que irão fazer carreira e escola na CUF.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Emblema do Grupo Desportivo da CUF para colocar nos automóveis


Este emblema, certamente seria colocado nas grelhas dos carros pertencentes ao Grupo Desportivo da CUF. Um clube que não servia apenas para "publicitar" a CUF propriamente dita, detendo um palmarés invejável em todas as suas modalidades. O Grupo Desportivo era um espelho da família "cufista" e do seu orgulho em vestir a camisola de uma empresa. Desde o operário, passando pelos, empregados superiores das várias areas, aos engenheiros e á própria administração, a vida clubistica da CUF era vivida intensamente. No Campo de Santa Bárbara e posteriormente no Estádio Alfredo da Silva, foram muitos os duelos contra Sportings e Benficas, viveiro de grandes jogadores que foram glórias do desporto (Manuel Fernandes no futebol ou Victor Domingos no Hoquei). De génese inovadora (como aliás não o poderia deixar de ser) O Grupo Desportivo da CUF, trouxe para Portugal uma modalidade desconhecida até aí, falo do Judo, criando este Clube uma das primeiras secções deste Desporto no nosso país. Sonhou com uma Cidade do Desporto a construir no Barreiro, mas as mudanças politico-sociais dos anos 70 vieram deitar por baixo esses projectos, e o Desportivo da CUF acabou por esmorecer numa lenta agonia. Foi pena...

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

CUF - Azeite Porto

Hoje trago-vos uma lata, do Azeite Porto, encontrei-a perdida numa casa de velharias . Devo dizer que nunca tinha ouvido falar nesta marca, e não tenho datação para a mesma. É uma peça interessante pelo seu aspecto gráfico, pois encontra-se num bom estado de conservação. Alguém que se lembre deste azeite e do formato da embalagem, entre em contacto comigo. Aqui ficam as imagens:







segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Curiosidade do Banco Totta Standard de Angola

Numa das recentes feiras de velharias por onde andei, encontrei um envelope do Banco Totta Standard de Angola, onde se encontravam microfilmes, daquilo que eu suponho serem, estudos para o novo logótipo do Banco. Logo esse onde como poderemos observar está sempre presente o T ou o TT e o S. Há um muito curioso que se o observamos bem, parece praticamente um cifrão. Aqui vos deixo as imagens.


O envelope onde estavam os microfilmes:

Estudos para possíveis logótipos:




quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Circular da constituição da Sociedade Geral - 1919


Hoje trago-vos por assim dizer um fac-simile daquela que se não for a primeira Circular da Sociedade Geral será certamente das primeiras. Não é uma novidade, existindo já referências a este documento em livros recentes sobre Alfredo da Silva e da CUF. Esta informa-nos da criação desta Sociedade com um capital inicial de 2 mil contos ouro, efectuada no dia 15 de Julho de 1919 no tabelião Tavares Carvalho.

Os Sócios que constituíam esta nova sociedade tinham á cabeça Alfredo da Silva, seguido do Marquês de Mendia, o Conde de Mendia, Alfredo Ribeiro da Silva (com um nome idêntico ao do grande industrial o que não deixa de ser curioso) , Maria Christina Rezende Dias de Oliveira da Silva (esposa de Alfredo da Silva) e Amélia Dias d´Oliveira da Silva de Mello (filha de Alfredo da Silva) e própria Companhia União Fabril.

Tal e qual como estava estabelecido nos seus estatutos, o objectivo desta nova sociedade, era o exercício de qualquer comércio exceptuando o bancário. Detinha ainda o objectivo especial de contribuir para o capital ou aumento de capital de quaisquer empresas industriais. Sendo este último ponto que pretendo desenvolver.

A Sociedade Geral, transformar-se-á após a sua constituição naquela que foi a primeira "Holding" do Grupo CUF. O que quero eu dizer com isto? Provavelmente a maioria das pessoas pensam que Alfredo da Silva criou a Sociedade Geral de Comércio Industria e Transportes, com o objectivo especifico de entrar no sector o da navegação. Em parte é verdade, mas a viragem da Sociedade Geral para o mundo marítimo, como empresa de navegação foi um facto acidental. Durante e no pós 1ª Guerra Mundial, a pressão britânica (feita através do Foreign Office) sobre os negócios de Alfredo da Silva*, resultou no fracasso da aquisição (através da SG) da Companhia Nacional de Navegação. Deste modo não restava outra solução ao industrial se não criar toda uma frota marítima de raiz através da Sociedade Geral. Se o negócio tivesse sido concretizado, possivelmente o futuro papel desta Sociedade, seria o de única e exclusivamente gerir e reforçar os capitais e participações dos novos empreendimentos do Grupo CUF.


A criação da SG tem primeiramente a haver, com um objectivo muito concreto de Alfredo da Silva, o aproveitamento e penetração do seu grupo nos mercados ultramarinos, de forma a poder ter acesso a matérias-primas. Assistimos assim a aquisição de interesses em Sociedades ultramarinas, casos da Companhia do Congo Português, e a Empresa António da Silva Gouveia na Guiné, de extrema importância para a sua futura indústria de óleos alimentares (mendobim, gergelim, e palma). Em 1921 participa na aquisição da Casa Bancária José Henriques Totta, que se torna o centro financeiro do Grupo. Em cada novo negócio em que a CUF se lançava lá estava a presença discreta da SG, do empreendimento da TAP á Lisnave, Soponata, passando pela nova Refinaria da Petrosul em Sines, aos Fundos da FIDES, ou á SOGESTIL, a SG geria uma enorme carteira de acções. A partir de 1972 com a venda do seu sector de navegação á CNN, a empresa irá dedicar-se até ao seu desaparecimento da administração e gestão das participações que detinha nas múltiplas empresas do Grupo


* refira-se que durante a 1ª Guerra Mundial, a CUF estará na lista negra de companhias industriais por parte dos ingleses, devido á existência de capitais alemaes na empresa, por parte de Benno Weinstein

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Modelos de Envelopes de Carta de Algumas empresas do Grupo CUF

Nem só de factos e de números vive a história de uma empresa. O seu quotidiano, os seus objectos, os seus papeis etc são também uma parte importante da sua vida. Por isso mesmo neste post pretendo dar uma mostra de como eram alguns modelos de envelopes de empresas do Grupo CUF. Todos os dias nos atarefados escritórios, das sedes e delegações, onde ainda se pode imaginar o constante bater das maquinas de escrever, eram enviadas cartas sobre múltiplos assuntos para os mais variados destinatários e lugares.

Envelope do Banco Totta & Açores


Banco Totta Standard de Angola


HOTAL - Sociedade de Indústria Hoteleira do Sul de Portugal


Comp. de Seguros Império


Sociedade Geral - envelope normal


Sociedade Geral - envelope de avião


Companhia Nacional de Navegação


Companhia Nacional de Navegação - Sucursal da Beira (Moçambique)


TRANSMINEIRA


NAVANG - Comp. de Navegação de Angola


C.M.N. - Companhia Moçambicana de Navegação


Guinémar - Sociedade de agências e transportes da guiné


Suprema Compañia Naviera - com sede no Panamá, foi fundada em 1962 por interesses do Grupo CUF

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Factura da CUF datada de 11 de Maio de 1929



Trata-se de uma belíssima factura, muito detalhada de uma venda da CUF á firma Sociedade Nacional de Fósforos (ou como se escrevia em 1929 Phosphoros) de 10.000 Kg de Estearina.
Para quem não sabe, a estearina é um componente muito utilizado no fabrico de velas, sendo precisamente uma das principais produções nessa época da Fábrica Sol (que foi o "berço" da CUF) situada em Alcântara. O valor da factura consta de Setenta e Sete mil escudos, um valor bastante alto para a época. Podemos ainda observar nesta factura que o pagamento é feito a 30 dias, expirando o prazo a 15 de Junho do mesmo ano.

Atente-se agora a interessante informação: "Posto no Caes do Porto pelo vapor Lisboa, Sahido da Fábrica Sol para a Fábrica de Lordelo do Ouro".

O Vapor "Lisboa" foi efectivamente o primeiro navio a motor adquirido pela Sociedade Geral, logo após a sua fundação em 1919. Era usado essencialmente no tráfego de cabotagem. Foi construído no Estaleiro de Tecklenborg em Geestmund na Alemanha. Esteve ao serviço na Sociedade Geral até 1929 (sendo provavelmente esta uma das suas ultimas viagens), ano em que é desmantelado, após ter tido problemas com com a sua quilha que ficou assente sobre pedra na Ponte-Cais do Barreiro. Até ao arrendamento do Estaleiro da AGPL pela CUF, foi o local onde ancorava a frota da SG. Deixo-vos umas interessantes e raras fotos deste primeiro navio da empresa.



Outra curiosidade da factura é o seu grafismo, onde podemos observar todos os depósitos de venda que eles detinham no país, os carimbos, tanto da CUF como da Sociedade Nacional de Fósforos, e no verso os interessantes carimbos colocados sobre os selos fiscais datados de 18 de Julho de 1929.


sábado, 15 de novembro de 2008

Assembleia Geral Ordinária da C.N.N. - 1962


Hoje deixo-vos esta interessante folha de comunicação sobre a Assembleia Geral Ordinária da Companhia Nacional de Navegação. Seria discutido o relatório de contas respeitante ao ano anterior, bem como a eleições de um novo membro no Conselho Fiscal. Presidia á frente dos destinos da Companhia D. Manuel de Mello.

domingo, 9 de novembro de 2008

Cinzeiro do Hospital da CUF

Hoje trago-vos uma peça extremamente interessante e rara. Este magnifico Cinzeiro do Hospital da CUF, fabrico da Vista Alegre (como se pode ver na foto 3) encontra-se em excelente estado de conservação. Observando o logótipo, verifica-se que dentro da roda dentada em vez de estar escrita a palavra LISBOA, está a palavra HOSPITAL. Relembro que o Hospital da CUF situado em Alcântara junto á Av. Infante Santo, sendo ainda um projecto da época de Alfredo da Silva, só será inaugurado em 1945, já sob a presidência de D. Manuel de Mello. Esta unidade médica servia não só todo o pessoal pertencente aos quadros da CUF e empresas associadas, como funcionava também em regime de hospital aberto aos privados que decidissem recorrer aos serviços deste hospital. Sendo reconhecido até aos dias de hoje como uma das melhores unidades médicas do país. Podemos ainda observar o carimbo da antiga Casa José Alexandre, que socumbiu ás chamas aquando do grande incêndio do Chiado em 1988. Creio que a sua nova morada é na Av. Fontes Pereira de Melo





terça-feira, 4 de novembro de 2008

Blogue premiado com o Prémio Dardos

Para grande espanto meu, este Blogue, recebeu um prémio destinado a Blogues, chamado Dardos. A quem agradeço desde já quem tenha votado em mim - Banhos Quentes

Quem recebe o “Prémio Dardos” e o aceita deve seguir algumas regras:

1. - Exibir a distinta imagem;
2. - Linkar o blog pelo qual recebeu o prémio;
3. - Escolher quinze (15) outros blogues a que entregar o Prémio Dardos.


A Lista das minhas escolhas:

Fábrica Sol
Sai-te daqui
Navios e Navegadores
Atlântico Azul
Navios à Vista
Santa Maria Manuela
História Náutica
Paulo Farinha navios & miscelânia
Crónicas Portuguesas
Blogue dos Navios e do Mar
Blogue Portugal 1143
Kontratempos
Gasolim
Barreiro XXI
A Carne é Cinza, A Alma é Chama

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Fotografia: A Entrada Principal do Complexo da CUF no Barreiro em 1973


No ano em que a CUF mudou o seu logótipo, assumindo "a nossa dimensão em direcção ao futuro" (Palavras do Dr. Jorge de Mello) aqui fica uma foto da entrada do Complexo já com o novo símbolo. Pode-se ver em primeiro plano a zona dos Superfosfatos, ao fundo pode ainda observar-se a correia de transporte que existia entre estes edificios e os armazens do cais. Na entrada podemos da esquerda para a direita a bandeira da Câmara Municipal do Barreiro, a Bandeira Nacional, e a nova bandeira da CUF. A propósito, o que será feito dessa bandeira?

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Actualizações

Foram actualizadas as fotos do Saco de Enxofre da CUF, substitui-as por umas melhores e mais visíveis e com o pormenor de ter também as letras na sua parte traseira. Foi ainda actualizada a lista de empresas pertencentes ao Grupo CUF, sendo criada uma área para as suas Actividades no Mercado Externo. Onde aliás podemos observar a forte expansão que a empresa estava a ter em território brasileiro, fazendo parte da sua estratégia de internacionalização. Em 1973 a tomada sucessiva de empresas ligadas a produtos para a Agricultura denuncia a entrada em força no Mercado Brasileiro, que não será estranho vejamos:

- O Brasil possuía (e possui) um importante sector agrícola.
- Era um Espaço económico em franco desenvolvimento com estreitas relações a Portugal.

Nas vésperas do 25 de Abril, existiam ainda outros projectos em curso do Grupo CUF em território brasileiro:

- Uma fábrica de tabaco em ligação com a Dunhill
- Estaleiros no Porto Mineraleiro de Tubarões
- Uma Fabrica de Papel em ligação com a Billrud

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Curiosidades: Carimbos de Livros das Bibliotecas da CUF

O resultado de se andar por feiras de velharias, leva-nos a temáticas interessantes como esta que hoje aqui vos trago. Falando aqui e ali, desfolhando livros nestas feiras, encontram-se curiosidades sobre o tema entre os demais livros que por lá andam perdidos, á espera de encontraram os seus futuros compradores. É o caso deste livro:




Trata-se de um livro pertencente á Biblioteca da Liga de Instrução e Recreio CUF (como se pode ver no carimbo, colocado na primeira pagina do livro - foto2). Observa-se ainda nessa página que provavelmente o livro teria chegado á Biblioteca no ano de 1932. Olhando agora para a foto3 na ultima pagina do livro estava afixada a página das devoluções, cuja a ultima entrega estáva datada de 5 de Agosto de 1967. Estamos pois perante um livro que ainda é do tempo da já referida Liga, que foi, por assim dizer, a "mãe" do Grupo Desportivo da CUF (criado a 27 de Janeiro de 1937).





Veja-se agora estes dois exemplares, dois manuais um é um Guia prático de Fertilização por Adubos, e o outro escrito em espanhol é também um manual de Fertilização. Trata-se de dois manuais, que pelo que sei foram requisitados por engenheiros agrónomos que se encontravam em Angola ao Centro de Documentação da CUF.

No primeiro livro olhando os carimbos, podemos verificar que era do Centro de Documentação, e mais abaixo pode ler-se a sigla D.P.A. - documentação e biblioteca. Informando-nos que este livro era pertença da Divisão de Produtos para a Agricultura da CUF.
Em cima, a vermelho verificamos que o livro foi enviado a 29 de Novembro de 1961.

No segundo livro sobre Fertilização, obverve-se o curioso carimbo no topo riscado a lapis, pertencente á COMFABRIL - Companhia Fabril e Comercial do Ultramar, que alias já referi parte da sua história num post anterior. Em baixo ve-se o carimbo da CUF a referir que se destinava ao mercado externo, neste caso á entao provincia de Angola.

Deixo aqui estes curioso 3 exemplos de carimbos ligados á CUF e á vida da empresa. Espero que seja do agrado de todos.