terça-feira, 29 de novembro de 2011

Fotos da Colonia de Férias da CUF (Parte1)

De forma a saudar o evento do Almoço/Convívio da Colónia de Férias da CUF, nada melhor do que o celebrar com um interessante lote de fotografias tiradas nos anos 70 pelo então Monitor Adalberto Petinga, a quem desde já muito agradeço uma vez mais a sua colaboração. Estas fotos são dedicadas a todos aqueles que não vão poder estar presentes no evento. Não se preocupem, estarão presentes em espírito e nos corações de todos. Espero que gostem.


 5º Turno de 1971. O monitor Adalberto com o seu grupo dos Azuis na Praia Grande


  Grupo de monitores do 3º Turno de 1972
 De pé: Xavier, Pombo, Silva Nunes, Belo, Valério, Seténio, Mário, Oliveira, José Carrolo, Brito, João Carrolo, José Luis e Jorge Morais.
 Em baixo: Tó Zé Ventura, Rebocho, Manuel Luis, Machado, Pepe, Mário, Adalberto e Nazário.


 3º Turno de 1972. O grupo dos monitores dos Amarelos.
              José Luis, Xavier, Silva Nunes (monitor geral), Belo e Adalberto.


  3º Turno de 1972. O monitor Adalberto com o seu grupo dos Amarelos.

3º Turno de 1972. O monitor Adalberto com o seu grupo dos Amarelos no refeitório


5º Turno de 1972. O monitor Adalberto com o seu grupo dos Amarelos, junto ao alpendre.


  5º Turno de 1972. O monitor Adalberto com o seu grupo dos Amarelos, no refeitório.


  3º Turno de 1973. O grupo de monitores dos Amarelos, na Praia Grande.
     Jorge Fonseca, Nazário, Vitor Oliveira (monitor geral), Adalberto e Rui Ferreira.


 3º Turno de 1973. O monitor Adalberto com o seu grupo dos Amarelos, na Praia Grande.


 3º Turno de 1973. O monitor Adalberto com o seu grupo dos Amarelos, no refeitório.


 3º Turno de 1973. O monitor Adalberto com o seu grupo dos Amarelos, no refeitório.

Almoço Convivio da Colonia de Férias da CUF


Um dos eventos mais esperados nos últimos tempos está a chegar. O dia 1 de Dezembro (próxima Quinta-Feira) irá  ser diferente e muito especial para todos aqueles que conheceram a Colónia de Férias da CUF, sejam eles antigos colonos ou monitores. A emoção estará à flor da pele, será uma oportunidade única, poder voltar a revisitar um espaço que marcou para sempre tantas gerações de filhos de empregados da CUF. Memorias, cheiros, pessoas, situações, serão relembrados com emoção pelos visitantes.
Estarei presente neste evento e irei tentar documenta-lo fotograficamente o melhor possivel e aqui colocarei fotos do mesmo.

Quem desejar saber mais informçaoes sobre o mesmo este link explica tudo: Convívio da Colónia de Férias da CUF

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Bilhete Postal da CUF



Datado de 3 de Dezembro de 1943, este bilhete postal informava que a encomenda de encerado que Casa Agrícola de Penha Garcia efectuou à CUF, tinha chegado à Fábrica das Fontainhas, situada em Alcântara. É visível a extensa rede de depósitos que a Companhia possuía nessa época um pouco por todo o país, bem como os principais produtos produzidos. Este postal encontra-se assinado por um secretário da empresa. Mas o que seria o Encerado 1813? Deixou-me curioso, hei de investigar mais sobre o assunto. É um documento deveras interessante de uma época em que o telefone ainda não se tinha banalizado como nos dias de hoje, sendo o correio a forma mais eficaz de chegar junto dos seus clientes.

Autocolante da Tabaqueira para o selo do carro














Observe-se este interessante autocolante da Tabaqueira para colocar os selos do imposto municipal de circulação. Até há poucos anos era frequente todos os anos ter de se de colocar a vinheta desses selos no vidro do automóvel, agora é pertença do passado.  Este autocolante é de princípios dos anos 70 e publicitava uma das marcas mais famosas da empresa, o SG Gigante, com o mote "O Cigarro para os Gigantes do Desporto" outros tempos! E como podem ver tinha instruções de como se devia colocar! Esta era sem duvida outra ideia interessante e com certa originalidade de publicitar um produto, hoje seria impossível tal coisa devido à nova legislação dos tabacos. 

sábado, 12 de novembro de 2011

Identificação de um Camarote do Paquete Principe Perfeito da CNN


O que posso eu dizer sobre este objecto? Pelo que me foi dito, este tipo de "chapas" eram  usadas a bordo do Paquete Príncipe Perfeito, para identificar os camarotes, talvez usado na chaves dos mesmos, ou então servindo de "talão" de bengaleiro algo do género. Se bem que esta se encontra virgem, pois não esta gravado o numero do camarote ou do armário. Alguém que conheça a sua função me avise pois tenho curiosidade.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Para Ler e Meditar

Tenho acompanhado com muito interesse uma série de programas que têm passado no Canal de História, sob o titulo de Empreendedores e Milionários. Aqui são apresentadas grandes figuras como Henry John Heinz, o fundador da reputada marca do Ketchup, ou William Boing, que teve a visão pioneira dos voos aéreos comerciais. Com certeza estarão a pensar: "Mas o que é que isso tem a haver com este blogue?". Está de certa maneira ligado, e já perceberão o  porquê. Ao olhar para esse programa, nos episódios que até agora vi, verifiquei que tanto a Heinz como a Boing, marcas de excelência reconhecidas em todo o mundo, souberam preservar não só a sua história com o seu património. Desde a primeira casa onde John Heinz começou o seu negocio das conservas alimentares, a estátua manda erguer por subscrição dos trabalhadores ao fundador da Heinz, passando pelo barracão onde William Boing, montou o seu primeiro avião, tudo está preservado, com todo o orgulho e pode ver visitado por quem o deseje fazer.

Agora faço a pergunta, e quanto a Portugal? Também por cá tivemos grandes empreendedores, mas pelos vistos preferimos não lhes dar a importância devida se não mesmo ignora-los! Temos o caso gritante de Alfredo da Silva, cuja a casa onde nasceu, na Rua da Prata em plena baixa de Lisboa se encontra ao abandono. Não seria interessante criar-se ali um espaço museológico, retratando o ambiente da época, evocando a figura do Industrial? Temos a sua Casa Museu situada nos terrenos das antigas fábricas do Barreiro, fechada a sete chaves. Um local que poderia muito bem ser dinamizado e transformado num ponto de atracção turística encerrando nele objectos pessoais do Homem da CUF bem como outra curiosidades e histórias que mereciam ser contadas. Pelos vistos esta nova geração da actual CUF bem como as outras entidades a quem pertence tais espólios, não têm vontade nem interesse em divulgar tal personalidade. É pena e é grave quando as empresas se esquecem dos seus fundadores. Falei aqui do caso de Alfredo da Silva, como poderia falar de Henry Burnay (apenas conhecido com coleccionador de arte) de António Champalimaud, Duarte Ferreira entre outros, que muito contribuíram para este país,  que com a sua visão criaram marcas de excelência, usadas por gerações de portugueses e que bem mereciam mais reconhecimento,  nisso estamos mais uma vez a anos de luz quando comparados com a mentalidade existente noutros países.