sábado, 26 de dezembro de 2009

Bilhetes da Carris com publicidade á CUF

E que tal se fossemos dar uma voltinha de Eléctrico, e já agora porque não no Americano? Vamos a isso. Mas para isso precisamos do bilhetes não é verdade? Pois aqui estão eles! Observe-se estas preciosidades, pela frente são simples bilhetes, mas quando nos deparamos com o seu verso fica-se logo deliciado e espantado.

O primeiro que vos apresento, é tão antigo que deve datar mais ou menos cerca de 1898. precisamente o ano em que a CUF de Henry Burnay e a CAF (Companhia Aliança Fabril) de Alfredo da Silva se juntam, ficando a empresa com o nome da primeira. Daí ler-se neste bilhete o nome das duas empresas juntamente com as marcas e produtos fabricados mais a morada do Deposito, onde era efectuada a venda ao publico.




Este segundo bilhete aparenta já ser dos anos 10, no qual é mencionada com destaque a sua "Fábrica de Adubos no Barreiro" a maior do "Paiz" a escrita antiga está fabulosa. A sua sede era ainda na então Fábrica Sol, em plena Av. 24 de Julho, anos mais tarde seria transferida para a Rua do Comércio no coração da Baixa Lisboeta.



O ultimo bilhete tem apenas uma publicidade a um dos seus mais antigos produtos: as lamparinas. Não nos podemos esquecer que os produtos tradicionais da CUF eram as Velas, as Lamparinas e os Sabões. A expansão para os Adubos e a Química só virá a partir dos anos 10


terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Notìcia: Eliminação do Grupo Desportivo da CUF da Taça de Portugal

A notícia que hoje vos trago foi retirada da revista "O Século Ilustrado" datada de 21 de Outubro de 1967, da sua secção desportiva, que aqui a transcrevo na íntegra:

"Da Eliminação da CUF, Pouco Se Pode Orgulhar o Sporting


Acabou-se a primeira eliminatória da Taça de Portugal. Vinte e uma equipas já foram pela borda fora. Foram as que estavam em previsão. E daí... Bom, se a Taça fosse um nadinha mais considerada e não se servissem dela apenas para tapar furos do calendário federativo, por outras palavras, se esta malfadada competição tivesse vitalidade que lhe compete e as suas eliminatórias, para que não lhes faltasse decência desportiva, fossem disputadas numa só mão e em campo a designar por sorteio, é bem possível que tivesse havido algumas surpresas. De certeza pelo menos, não seria possível que, na dúvida do resultado, os clubes mais fortes apresentassem as suas reservas contra os mais fracos, na certeza de que na segunda mão, estão sempre a tempo de fazer as indispensáveis rectificações no marcador.

O facto mais saliente desta eliminatória foi a eliminação da CUF. Claro que o contrário também não seria surpresa. A CUF eliminar o Sporting em Alvalade seria caso muito falado. Mas o Sporting eliminou a CUF, por ter jogado muito mal, a revelar mazelas que começam a ser muito graves e, acima de tudo, por ter defrontado um adversário em inferioridade numérica nos momentos decisivos do desafio, também é facto de assinalar.

Assinalado e bem, não deixou ele de ficar pelos próprios adeptos da equipa leonina, que não puderam esquivar-se a algumas manifestações de descontentamento. Enfim o Sporting qualificou-se e está agora muito a tempo de afinar as agulhas e justificar a passagem à segunda eliminatória, mas da eliminação da CUF é que não tem muito de se orgulhar.

Durante este mal jogado e mal arbitrado desafio, sofreram lesões graves os cufistas Capitão-Mor, que teve de ir ao hospital para que lhe fosse suturado o ferimento, e ainda Medeiros, que também abandonou o campo, e Durand, que teve de deixar o seu lugar de defesa, para derivar para o lugar de extremo.

Além do Sporting, ficaram apurados para a segunda eliminatória, que se realiza em 21 e 28 de Janeiro os seguintes clubes: Benfica, Belenenses, Académica, Setúbal, Leixões, Guimarães, Braga, F. C. do Porto, Sanjoanense, Barreirense, Tirsense, Cova da Piedade, Covilhã, Torriense, Sintrense, Viseu, Leça e Gouveia.

Espinho-Varzim e Penafiel-Lamas só decidirão a eliminatória em terceiro jogo."

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Festas Felizes

Quero antes de mais desejar a todos os leitores deste meu blogue, um Feliz Natal e um próspero Ano Novo. Que o próximo possa ser melhor daquele que passou, a todos os níveis.

Desejo também que os portugueses em geral olhem mais para o seu País, e com o seu esforço e dinamismo, tornem este rectângulo à beira-mar plantado num local melhor para se viver.

Mais justo, menos burocrático, e que saiba identificar quais os seus problemas centrais e as suas linhas de rumo, pois sem esse planeamento, continuaremos sempre à deriva como um barco desgovernado.

Não podemos nem devemos apenas apontar os erros e queixarmo-nos da governação do país, não podemos ficar á espera que as coisas nos caíam do céu, é necessário trabalho e esforço conjunto, pois sem este, torna-se uma tarefa inglória que não nos leva a lado nenhum.

Deixo-vos um simples postal de natal do Hotel Alvor Praia, propriedade da SALVOR:

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Frasco de Químicos da CUF

Chegou às minhas mãos este curioso objecto da CUF. Este frasco em vidro, muito possivelmente seria dos seus laboratórios, ou então seria para enviar amostras do seu produto para os então Grémios da Lavoura, porém inclino-me mais para a primeira hipótese. Vê-se que já passaram muitos anos por este objecto, com o rotulo comido pelos insectos, onde mesmo assim ainda se consegue ler: "Super 42% em Pó". Graças a um atento leitor do blogue, e que desde já muito agradeço, fiquei a saber que o produto que este frasco continha era superfosfato triplo 42% (TSP) Super 42 % de (P2O5) Anidrido Fosfórico . Utilizado directamente na agricultura ou como matéria prima no fabrico de adubos compostos(NPK)-Azoto(N),Fosforo(P),Potassio(K),consumido na agricultura em diversas adubações. Mas provavelmente a coisa mais curiosa e fabulosa, e que será mesmo a principal atracção deste frasco é a sua tampa. De cor verde, com uma fabulosa Roda Dentada da CUF, tendo cortiça na parte interior que servia como vedante.



Sugestão para Prenda de Natal: "Alfredo da Silva e Salazar"

Caros amigos, deixo-vos uma sugestão como prenda de natal, obviamente ligada ao tema deste blogue, um livro da Bertrand que segundo esta editora, saía hoje. Fui à procura do mesmo mas infelizmente ainda nao tinha chegado. Repasso por isso o texto de apresentação da obra, escrita pelo mesmo historiador que escreveu a biografia do Industrial.

Alfredo da Silva e Salazar – Retrato de uma Relação Sinuosa – Miguel Figueira de Faria
Sobre o livro: «Das primeiras medidas da Ditadura, passando pela questão dos Tabacos e até ao auge da crise Totta, Alfredo da Silva e Salazar mais do que juntar as biografias do fundador da CUF e de Oliveira Salazar, revela o retrato detalhado de uma relação conturbada entre Alfredo da Silva e Salazar.
Numa obra de profunda pesquisa e rigor, Miguel Figueira de Faria, doutor em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, professor do Departamento de História, Artes e Património do Instituto de Investigação Pluridisciplinar da Universidade Autónoma de Lisboa, apresenta e analisa a relação entre Alfredo da Silva, personalidade chave da economia portuguesa, destacado industrial e financeiro, e António de Oliveira Salazar.
Segundo o autor, “a narrativa procurou deste modo estabelecer, numa primeira fase, um quadro de partida do exilado (prólogo) e do seu combate (I Capítulo), até à regeneração política (II). Segue-se uma segunda parte com a aproximação de Alfredo da Silva ao regime, em plena crise mundial (III-IV), onde descrevemos os primeiros encontros entre o industrial e o político, na luta pela sobrevivência da CUF, no contexto da Grande Depressão (V). Finalmente, reconhecemos o momento de maior atrito com a situação, ditado pelos interesses contraditórios no sector da Marinha Mercante (VI), para concluirmos numa derradeira etapa de conciliação da convergência de Salazar, no quadro dos grandes conflitos internacionais que eclodiram na segunda metade da década de Trinta.”»

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Selos dos Maços de Cigarros da TABAQUEIRA

Antigamente, antes de haverem os actuais, selos fiscais no maços de tabaco, que hoje já passaram para a era digital, para evitar a contra-facção do produto, existiam os normais selos da marca. Servia para garantir, a qualidade do produto e a sua inviolabilidade, até o maço chegar as mãos do cliente. Contudo e como a maioria das coisas mundanas, poucos serão aqueles que se chegam a aperceber, do seu grafismo, ou das suas cores. Pois bem é isso que hoje vos pretendo aqui trazer.
Os três primeiro selos, ainda com o primeiro logótipo da Tabaqueira com o seu T, e com o lema "Para bem Servir" deverão ser dos primórdios da época em que a sua fábrica estava instalada no Poço do Bispo, têm como se pode ver três cores distintas, o Laranja, Vermelho, e Verde, enquanto os restantes pertencem já anos anos 60, época na qual a fábrica se muda para Albarraque.


Curioso ainda será observar esta medalha da TABAQUEIRA, é precisamente uma cópia fiel do último selo colocado.






domingo, 6 de dezembro de 2009

Revista Desportiva com o jogador José Palma da CUF


Esta Revista remonta à época futebolística de 1958-1959, fundada um ano antes tendo como Director: Henrique Parreirão e como editor Artur Agostinho. Era à semelhança de outras revistas que existiram anteriormente como a celebre "Stadium" uma revista de foto-reportagem sobre o desporto-rei. Esta tem como capa o jogador José Palma, defesa-central da CUF, que tanto brilhou na década de 60, aqui era ainda apresentado como "astro do futuro". Nessa época tal como li numa publicação algures, o Barreiro, era um viveiro a fervilhar de bons futebolistas.

Nao resisto a transcrever o pequeno texto que acompanha a imagem da capa: "Portugal sempre teve excelentes médios-centros. No futebol clássico, hoje recordação de velhas gerações, Artur José Pereira e Augusto Silva; com o advento do W.M., com outra função tão distinta, os idolos Feliciano e Félix. A mocidade vive a táctica do 4x2x4, com dois defesas-centrais, em cobertura frontal da baliza, e lutando com «pontas de lança».
Palma, da CUF, com 22 anos de idade, é um produto cem por cento barreirense. É um futebolista de certa personalidade. Titular indiscutível da famosa equipa de juniores da época 1953-1954 que na Alemanha teve uma actuação notável, Palma foi um júnior excepcional. Nele vivia o instinto do jogador servido por um tecnicismo apreciável
Tem o sentido do lugar; a percepção clara do lance; o golpe de vista que define um jogador. Dotado de «détente», essencial no lugar, Palma na galeria dos jovens poderá conquistar uma posição interessante. O magnifico júnior, de longe o melhor da defesa portuguesa, autoritário, rápido e evoluído, vai renascer? Os últimos jogos indicam melhoria. Tem sido um dos baluartes da CUF. Continua sereno, lúcido. Sabendo do oficio. Menos ligeiro, mas com noção da entrega para os médios, ou aliviando largo, para os flancos.
O instinto não feneceu, os reflexos reaparecem. Palma, grande futebolista aos 18 anos, um caso especial na categoria júnior, se treinar com entusiasmo, poderá no mundo do futebol português ser, de novo, um jogador inigualável.
Tem 22 anos, e uma experiência larga. Na élite do futebol nacional o barreirense da CUF, único clube que conheceu tem o direito e obrigação de mostrar que as virtudes juvenis de 1954, não desapareceram. Com magnificas condições atléticas, servido por um poder de elevação clarividente e técnico, Palma na era do 4x2x4, poderá ascender a plano de realce.
Acreditamos na sua evolução. Sabemos que como júnior brilhou. A qualidade do seu futebol está ressurgindo por uma preparação intensa. Conhecendo o posto, e colocando-se, com calma, na «zona de tiro» Palma na plêiade de defesas nacionais poderá reconquistar o ceptro.
O Grande público não o aplaude, porque pertence a uma simpática agremiação, mas sem as «massas» dos «grandes». Palma vai ser o astro do futuro. Assim esperamos!"

Folheando um pouco a revista deparamo-nos com uma vitória do Grupo Desportivo da CUF, ao F.C. do Porto, no Campo de Santa Barbara, seguido de um empate a 3 bolas contra o Vitória de Setúbal, onde nos apercebemos a existência de um auto-golo por parte dos sadinos . Aqui fica a constituição das equipas:

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

O Atentado Contra Alfredo da Silva em 1919

Em finais do século XIX princípios do século XX, andava muito na voga, revistas amplamente ilustradas e cheias de reportagens fotográficas, de noticias vindas um pouco de todo o mundo. A Fotografia e os seus processos estavam em evolução, tornando o seu uso banal. A mais conhecida deste género de revistas chegava de Franca, a célebre "Illustracion" e por cá felizmente não quisemos ficar atrás e para tal foi fundada a célebre "Ilustração Portuguesa" que diga-se era uma revista fabulosa para a época, com bom papel, bom grafismo, com belíssimas reportagens da vida portuguesa atraindo os mais famosos caricaturistas da época. Foi também um retrato vivo da historia do país, e da sua sociedade, uma das mais famosas capas é sem duvida a do Regicídio do Rei D. Carlos e do Príncipe Luís Filipe ocorrido 1 de Fevereiro de 1908, amplamente divulgada tanto no país como no estrangeiro.

Pois bem, chegou ás minhas mãos uma revista que certamente pela sua capa, passaria-me despercebida á primeira vista. Contudo para alem das habituais crónicas, as modas da época, e uma curiosa caricatura de Rocha Vieira onde se já gozava com o então mau estado das estradas nacionais (ontem como hoje...) e variados anúncios, salta á vista no meio de tudo isto, uma ampla reportagem fotográfica de uma página sobre uma das tentativas de assassinato de Alfredo da Silva em 1919.
Como se sabe durante a vigência da então Iª Republica Portuguesa, a agitação social era bastante grande, e não nos podemos esquecer que durante esse período os grupos anarquistas tinham muita força, e um homem como Alfredo da Silva era já considerado por muitos como a expressão máxima do capitalismo em Portugal e era um alvo a abater.

A primeira tentativa ocorreu quando o industrial se dirigia do Parlamento para Alcântara, perpetrado por um pintor de construção civil de seu nome Arsénio José Ferreira. Na segunda tentativa é surpreendido por dois homens à porta da sua casa, no palacete que possuía ao Alto de Santa Catarina (precisamente onde hoje está instalado o Museu da Farmácia). Um dos homens teria cerca de 28 anos, estucador de profissão, apontou-lhe uma pistola, mas teve azar, pois esta encravou, o industrial precipita-se para dentro do seu carro, auxiliado pelo seu motorista que com a manivela de arranque, faz frente ao agressor. O segundo homem, que estaria nas imediações atira um engenho explosivo para o local, ferindo o seu motorista. Depois destes episódios Alfredo da Silva, irá exilar-se em Espanha, até 1927, passando apenas pequenas estadas em Portugal para tratar de assuntos ligados ás suas empresas.

Observando a reportagem, pode ler-se com curiosidade, que aquando desta tentativa, na casa do industrial estava a decorrer um incêndio, seria curioso encontrar registos do que terá acontecido. Quem sabe andem algures perdidos!


quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Património Artistico em empresas do Grupo CUF

O assunto que aqui será abordado, é inédito neste blogue, como se sabe, as empresas para alem dos seus patrimónios em capitais, maquinaria, ou edifícios, também compram ou encomendam obras de arte, procurando dessa forma embelezar os seus escritórios ou salas dos conselhos de administração. Dentro do Grupo CUF deveria ter sido vasta o seu património artístico, porém hoje é escassa a informaçao que existe sobre o tema, bem como do seu espólio. Por isso vou apenas colocar obras que tenho apanhado em publicações, ou noutra documentação.




Comecemos pelos retratos de Alfredo da Silva e D. Manuel de Mello, ambos da autoria de Eduardo Malta mestre do Retrato nasceu na cidade da Covilhã, na freguesia de S.Martinho a 28 de Outubro de 1900. Contava apenas 10 anos de idade quando deu entrada na Escola de Belas Artes do Porto. Repartiu a sua existência também pela ilustração, pela pintura de ficção e ainda por obras literárias. A sua obra mereceu dos criticos os mais rasgados elogios pelo que lhe foram atribuidos divrsos galardões como: Prémio Columbano ,1936, Medalha de ouro da Exposição Internacional de Paris, 1937, Prémio Luciano Freire entre outros. Faleceu em Óbidos a 31 de Maio de 1967. O quadro de Alfredo da Silva está a sua casa-museu no Barreiro, e o de D. Manuel de Mello creio estar na sede da Império.


Este quadro chama-se "Tecelagem" é um Óleo sobre tela da autoria de João Aires, é datado de 1970, e era pertença da Companhia Têxtil do Punguè, situada na Beira, em Moçambique, da qual irei falar em momento oportuno. Sobre o autor: Pintor expressionista e abstracto, nasceu em Lisboa em 1921 e expôs pela primeira vez com obras neo-realistas em Lourenço Marques em 1949 e depois em 1966, tendo evoluido depois para a pintura abstracta.


Esta Tapecaria pertencia a MICROFABRIL - Sociedade Industrial de Bioquímica S.A.R.L. é da autoria do famoso Guilherme Camarinha, cuja a sua obra é bastante conhecida, a suas belas tapecarias, encontram-se em inumeros edificios publicos, como a Biblioteca Nacional ou especialmente em Tribunais.


Este belíssimo quadro que deve ter sido pertença da Sociedade Geral, mostra-nos o navio Manuel Alfredo ancorado nas docas. O titulo do quadro é "Barco à descarga" e a sua autoria é do pintor Silva Lino (1911-1984)

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Cinzeiro da Tabaqueira

Aqui está mais uma curiosidade da Tabaqueira, um cinzeiro em vidro, ainda com o seu antigo símbolo com a divisa "Para Bem Servir" é de facto muito antigo, devendo ainda ser do tempo em que a fábrica estava instalada no Poço do Bispo. É uma peça simples mas com a sua elegância, e felizmente, foi pouco usado, estando praticamente num estado impecável.

A NORTEMAR

A NORTEMAR - Agência Marítima do Norte Lda. foi constituída a 7 de Janeiro de 1971. Esta empresa associada da C.N.N. e da S.G. tinha a sua morada no Porto, na Rua Infante D. Henrique nº63, tendo sido criada com o efeito de representar as duas companhias de navegação do Grupo CUF na zona norte do país. Aqui vos deixo uma fotografia do aspecto da Agência e dois envelopes (um pequeno e outro grande) desta firma.






quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Algumas Ementas da C.N.N.

E que tal se déssemos uma espreitadela a algumas ementas da Companhia Nacional de Navegação? Há sempre aquela curiosidade de se saber o que se comia e quais as especialidades gastronómicas a bordo. Três destas ementas são muito provavelmente de 3ª Classe, estão datadas entre Fevereiro e Março de 1957, e referem-se ao Paquete Índia. A outra já com uma apresentação de maior requinte, com as letras em relevo, trata-se de um Almoço de 2ª Classe servido abordo no Paquete Niassa em Agosto de 1965.





sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Impressões de uma Visita á Colonia de Férias da CUF

Hoje trago-vos de novo um tema que, é muito querido, neste blogue, refiro-me à Colónia de Férias da CUF. Andava eu em investigações quando descobri um interessante texto feito um por trabalhador da empresa sobre a visita à respectiva colónia, que não resisto a postar, aqui fica ele:

"Como é a Colónia de Férias da C.U.F., impressões da visita do pai de um colono"

"Ainda estou debaixo da agradável impressão causada pela minha visita de hoje à Colónia de Férias da C.U.F. em Almoçageme, perto de Colares. E fiquei tão satisfeito que não deixo de fazer algumas considerações.

Depois da camioneta nos deixar, caminha-se um pouco e pé e eis que surge a Colónia logo distinguida à distancia pelas letras CUF, implantadas no depósito que sobressai acima da vegetação. À entrada recebem-se senhas para a visita e indica-se o número do colono que se pretende ver. Num pequeno edifício, quase mais um alpendre, as famílias aglomeram-se, esperam ansiosas. Vão olhando as lindas flores junto à entrada, os baloiços os «escorregas», todo um parque infantil espalhado por debaixo dum pinhal frondoso. Mas crianças... nem uma se vê. Há comentários, perguntas, suposições, sobretudo da parte dos que têm ali os filhos pela primeira vez.
Alguém grita:
- Lá vêm eles!

E toda a gente corre a espreitar. De facto, o ranchinho dos que têm visitas à espera avança vagarosamente, com as suas blusas verdes e os seus suestes sempre pendurados ao pescoço, pois quando o Sol espreita aquece mesmo.

Um frémito de emoção percorre o coração dos pais que já não vêem os filhos há uns dias. E parece-me que das centenas de pessoas ali presentes não houve uma sequer que ao ver o seu rebento não acenasse para ele, com fulgor nos olhos e alegria no coração. Depois são os abraços e as clássicas perguntas «como estás tu», «tens passado bem?», «tens comido muito?», «tens tido saudades dos paizinhos?», e «estás tão queimado!», «queres ir-te embora?». Ir embora? Mas quem pensa nisso? Qual ir embora, qual deixar aquele ambiente!...

É certo que alguns se agarram aos pais, choram, mas não são poucos. A grande maioria, findos os primeiros momentos de certa estranheza até, e de tomarem contacto com os mimos e guloseimas oferecidos, começam a contar as suas aventuras, as suas brincadeiras.

Entretanto, por grupos, inicia-se a visita à Colónia com a indicação solicita dos monitores. E então é que é admirar. Magnificas instalações. Tudo impecável. Aqui a secretaria, ali a enfermaria, com médico diariamente, onde felizmente as camas estão quase sempre vazias, e o seu posto de socorros, com enfermeiro permanente, onde a pequenada vai tratar os arranhões, regressando toda satisfeita com as tiras de adesivo nos braços e nas pernas. A seguir o edifício da Direcção da Colónia e também um enorme campo de jogos, onde as competições são bem acesas e se aproveita sempre a ocasião para se ensinar o lema do saber ganhar e do saber perder.

Depois a cozinha, ampla, higiénica de funcionamento moderno, onde mãos hábeis despacham refeições para mais de 350 pessoas. De cada lado um vasto refeitório, arejado, das janelas dos quais, olhando em direcção ao mar, se desfruta uma soberba vista, logo realçada com canteiros mimosos cheios de flores garridas, lindíssimas e bem tratadas. Anexos aos refeitórios grandes baterias de lavatórios que se tornam bem necessários para despachar tanto garoto.

Agora o balneário, enorme na sua extensão, mas de tamanho reduzido no seu formato, atendendo à natureza, à idade dos colonos. Uma graça

Também há uma biblioteca que tanto tem revistas e jornais acessiveis aos mais miudos, como livros para os mais velhinhos. Ao lado situa-se um salão geral, onde se ouve missa e também, fechada a zona onde está o altar, se reunem à noite para verem cinema ou para brincarem antes de se deitarem.

Mais ao lado, espalhados pelo meio dos eucaliptos, existem os alpendres resguardados, decorados pelas crianças sempre auxiliadas pelos monitores que são como uns irmãos mais velhos, que as vigiam e aproveitam todas as ocasiões para dar um bom conselho ou um bom ensinamento. Estes monitores são devidamente preparados ao longo do ano, frequentando um curso que visa a sua formação pedagógica. E na verdade, a comprovar, está o facto de se verificar em todos os rapazes a maneira como se referem aos seus monitores, a quem tratam como verdadeiros camaradas.

Finalmente temos os dormitórios, que são pavilhões separados, disseminados entre arvores, plantas e flores, com arruamentos bem delineados. Cada dormitório é formado por dois corpos ligados ao centro por um quarto onde ficam os monitores. Igualmente têm os anexos sanitários. Cada uma das fofas camas daquele ambiente liliputiano tem uma caixa onde o colono tem as suas coisas. As camas são todas ligadas no sentido longitudinal dando um aspecto fora do vulgar. O pavimento brilha. Tudo é irrepreensivel, impecável, higiénico e confortável!

Finda a visita regressa-se ao ponto de partida e fica-se por ali pelo enorme parque infantil já mencionado acima. Há alegria, bulicio. É vê-los pulando, brincando, gritando, misturados com os familiares que os observam embevecidos.

Agora está um turno de rapazes, depois será um de meninas. São 320 de cada vez, divididos em 5 grupos de 64 com 4 monitores cada. Os grupos têm cada um sua cor, um nome ou divisa. Há os verdes, os vermelhos, os amarelos, os castanhos e os azuis. Distinguem-se pela indumentária. Os próprios monitores têm camisola da cor a que pertencem. Cada grupo tem o seu dormitório, o seu alpendre e faz uma vida à parte, desenvolvendo um centro de interesse que pode ser desportivo, cultural ou botânico.

A vida que ali se leva é sempre movimentada e salutar. Levantam-se cedo é certo, às sete e meia, mas também se deitam às vinte e duas ou vinte e uma e trinta, conforme têm ou não cinema. Vão às nova horas para a praia, descendo os trezentos e tal degraus implantados entre as rochas, fazem a sua ginástica antes do banho e passam o resto da manhã brincando em mais baloiços, mais argolas, em alegre convivio. Depois do almoço fazem duas horas de repouso. Dois dias por semana têm canto coral com cantigas próprias para a sua idade. O resto do seu tempo é aproveitado nos jogos, nos trabalhos manuais, nas tarefas colectivas para o grupo e na brincadeira. Existem também uns regulares serviços religiosos com capelão permamente. Todavia, algum garoto que não professe a religião católica não é obrigado ao cumprimento de tais serviços. De vez em quando têm excursões pela serra e passeios ao exterior, visitando monumentos ou locais dignos de interesse.

Vida sadia, de ar livre, de contacto com a Natureza, sem pensarem em livros, em contas, cópias ou ditados. Sem preconceitos de indumentária, andando por vezes com camisolas e calções mais largos. É preciso é pular, cantar, viver os vinte dias de vida sã. Há ali rapazes do Barreiro, de Lisboa, de Alferrarede, do Porto, de todos os lados onde há familia CUF. Há filhos de operários, de empregados, de chefes. Porque ali pròpriamente não estão só os que precisam de ter férias de campo e praia, férias que os pais lhes não possam proporcionar. Trata-se dum convivio que faz bem às crianças, dum ambiente em que têm de resolver já alguns assuntos por iniciativa própria sem estarem sempre a depender dos pais; ali passam sem os mimos mas passam também muitos dias sem ouvirem as habituais frases «não mexas aí», «está calado», «está quieto» e também sem apanharem o seu açoite...

Chega finalmente o termo da visita. As famílias vão tomando o caminho da saída. Há um ou outro pequeno que nessa altura é acometido duma pequena crise de choro. Mas é só um momento. Passado um bocado, distraído com os outros, já nem se lembra. A maioria, porém, despede-se à pressa dos familiares e vai terminar os jogos. Alguns até nem descem dos baloiços para não perderem o lugar...

Sai-se com excelentes recordações. Não há duvida que todos os pais voltam descansados, confiantes. E tão bem impressionados que, ao deixar o portão da Colónia, só se houve murmurar...

- Até a mim me apetecia passar aqui uns dias!
E talvez sejam palavras ditas com senso..."

L.V.


E pronto, aqui está ele, espero que tenham gostado, e que vos traga à memória o imaginário da Colónia (por quem lá passou). Depois de todas as experiências relatadas por varias pessoas, o mínimo que poderia fazer era colocar aqui este texto de forma a avivar esses tempos idos que todos vocês retêm na vossa memória e que daria para escrever um interessante livro sobre a Colónia de Férias da CUF.

sábado, 19 de setembro de 2009

Papel Reagente para o Sulfato de Cobre

O Sulfato de Cobre, essencial para o tratamento e prevenção das doenças da vinha e da batata era maioritariamente importado, até que a CUF através de um processo de recuperação do cobre por lixiviação, dá inicio ao seu fabrico por volta de 1913. E como podemos observar na imagem a empresa criou de imediato 3 marcas: UVA, PARRA, e Crystal. É alias muito provável que o símbolo da marca que ilustra a capa deste caderninho existisse, em chapa, tipo anuncio, colocado nas delegações agronómicas da CUF e em locais de venda especializados, pois já vi uma chapa dessas mas respeitante à marca UVA. Esta publicação deve ser dos anos 20 ou 30, digo isto pela forma como o português está escrito. Observe-se no verso, a explicação sobre como utilizar estas tiras de papel para verificar se a proporção de sulfato para a Calda Bordalesa estaria no ponto. Pode-se ainda ler, que este papel era grátis, possivelmente oferecido aquando da compra do produto. Um testemunho de outros tempos que chegou até nos em óptimo estado de conservação.






sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Levantando Algumas questões sobre a CUF

Após a morte de José Manuel de Mello, li em diversos blogues, opiniões de muitas pessoas, e depreendi que há ainda hoje uma grande desinformação no que toca ao Grupo CUF. Sendo ainda hoje uma história que se encontra por escrever, este humilde blogue é apenas um pequeno contributo nesse sentido. Redigi pois um texto de forma a tentar esclarecer alguns desses pontos.

Uma questão central com a qual me deparei é precisamente a do "Monopolismo da CUF" e afirmações talvez feitas com alguma ingenuidade, de que "A CUF só foi aquilo que foi devido á politica industrial do Estado Novo". É preciso ter noção que quando a revolução de 28 de Maio de 1926 derrubou a Republica, dando anos depois lugar ao Estado Novo, a CUF era já a nível nacional, um grande grupo económico, presente em múltiplos sectores da vida económica: azeites, óleos alimentares, sabões, rações para animais, química (acido sulfúrico, acido clorídrico, sulfato de cobre, sulfato de sódio, etc), têxteis, navegação (Sociedade Geral de Comércio Industria e Transportes) a Banca (Casa bancária José Henriques Totta) e ainda negócios nas colónias (caso da Casa António da Silva Gouveia, criada em 1921, para a produção de oleaginosas, essenciais para o fabrico de óleos alimentares.).

Grupo tecnologicamente avançado para o País, bem como para as suas mentalidades quer fossem políticos, quer fossem industriais. O que quero eu dizer com isto? O projecto de Alfredo da Silva, não foi gizado apenas para o abastecimento e fornecimento ao país de produtos de que este carecia. Não terá sido pura coincidência que no seu périplo pelo estrangeiro, Alfredo da Silva se tivesse deparado com a figura de Auguste Lucien Stinville, um reputado Eng. Químico que ergueu pela Europa, complexos químicos. Após tornar-se amigo deste, o industrial, convida-o para erguer em terrenos recentemente comprados pela CUF no Barreiro, um moderno complexo químico, à semelhança dos que existiam um pouco pela Europa. Logo aqui nos apercebemos que a CUF não era uma empresa qualquer, pois se olharmos para 1908, observamos que o nosso tecido industrial é composto na sua grande maioria por pequenas fabricas, muitas desconhecendo modernos maquinismos e usando técnicas rudimentares. Contrastando com esta visão, aparecia a então União Fabril, (como era muitas vezes assim designada), quer fosse em termos tecnológicos (relembro que aquando da instalação das suas fábricas no Barreiro, estas já detinham tecnologia de ponta importada do estrangeiro) quer fosse já pelo admirável numero de trabalhadores, que nunca deixou de crescer até 1975.

Creio que ao longo dos tempos dirigentes políticos e governantes, nunca se tenham apercebido precisamente que a CUF, estava sempre um passo à frente quer em termos de mentalidades do país, quer em termos de realizações industriais. Fala-se muito na Lei do Condicionamento Industrial, surgida na década de 30, e afirma-se que a CUF viveu tranquila à sua sombra, mas não posso concordar com essa afirmação. Se é verdade que numa primeira fase a lei foi feita para reorganizar, alguns sectores industriais que se encontravam em grave crise (Caso do Sector Conserveiro, no qual nos anos 30 se assistiu a falências e ao fecho de várias unidades) esta mesma lei deixou de fazer todo o sentido no pós guerra, época na qual o país, deixa a sua politica de autarcia económica, e abre o país ao investimento estrangeiro. Em muitos sectores e em muito empresariado português assistimos a um imobilismo, que advém precisamente dessa Lei do Condicionamento Industrial. Porque é que sucedeu isso? A justificação é simples, nos sectores económicos sujeitos a esta lei, não era possível montar novos equipamentos ou a criação de novas empresas, sem a devida aprovação do Governo. Assim assistimos que em vários sectores, sem a existência de uma concorrência efectiva, não havia por parte do empresário, motivo para a renovação do seu parque industrial por outro mais moderno e tecnologicamente mais avançado. Sabendo que teria a suas vendas asseguradas sem novos investimentos, esse era o típico empresário que vivia à sombra da Lei do Condicionamento Industrial e do proteccionismo corporativo. O tecido industrial da CUF sempre contrastou com o que atrás foi dito, sendo constante a preocupação dos seus líderes, na implantação dos mais modernos maquinismos, e de novos processos de fabrico. Como se afirma num documentário feito a pouco tempo pela RTP sobre a CUF "causava impressão aos técnicos estrangeiros que nos anos 60 nos visitavam, o constrate da modernidade da empresa relativamente ao país". Não será por acaso que a empresa, exportava já parte da sua produção para inúmeros países do Mundo tais como: Coreia do Sul, Indonésia, Irão, Holanda, França, ou México, enquanto a maioria dos empresários se preocupava apenas com o mercado interno e respectivo ultramar. Aliás quando começam as guerras em África, serão os seus dirigentes dos primeiros a tentar convencer os governantes, que politica portuguesa tinha de evoluir. Através as publicações que assinavam, e das constantes visitas ao estrangeiros, rapidamente chegava a CUF o que de mais moderno havia lá por fora, e não só! Ainda hoje é pouco revelado que a empresa chegou a criar tecnologia 100% CUF (especialmente no que toca ao fabrico de ácido sulfúrico), é preciso frisar que tudo isto só foi possível, através de uma obra continuamente criada e apoiada pela empresa no sentido da constante formação dos seus quadros, surgindo aquilo que na época se chamou de uma "Escola da CUF". Desta escola, saíram economistas, engenheiros, e outros quadros técnicos de prestigio, alguns chegando mesmo a desempenhar funções governativas em sucessivos governos.
E será precisamente através desse "know-how" acumulado de décadas, que irá permitir a empresa, crescer, e expandir-se para os mais variados sectores da nossa economia.

A CUF foi das poucas empresas (se não a única em Portugal) a ter uma visão integrada da Industria. Quer isto dizer que a partir da casa mãe, foram surgindo empresas, conforme as necessidades do grupo, expandindo-se e diversificando-se para outros sub-sectores se assim o poderemos chamar. Quando a CUF se inicia na produção de adubos, Alfredo da Silva cedo se apercebe da necessidade de a empresa entrar na industria têxtil, dada a necessidade de sacaria em juta e linho para os adubos, comprando para isso em 1908 a Companhia de Tecidos Aliança e mais tarde a Fábrica do Rato em 1916, sendo os seus maquinismos sendo transferidos para o Barreiro, centro nevrálgico da companhia. Mas para se fazer o ácido sulfúrico, era necessária a pirite ou importar o fosfato do Norte de África, para tal surge em 1919 a Sociedade Geral de Comercio Industria e Transportes que se irá tornar numa das maiores companhias de navegação. Devido á necessidade de segurar os seus complexos industriais, e a sua companhia de navegação surge em 1942 a Companhia de Seguros Império. Como se pode ver no pensamento da empresa, para alem de valorizar e explorar as potencialidades de novas áreas para a empresa, esta criou de forma racional, negócios em cascata, que surgiram das necessidades de uma auto-suficiência da companhia. Para alem disso foi possivelmente a única empresa portuguesa, que tentou explorar ao máximo as riquezas do subsolo português, da qual possuímos uma das maiores reservas mundiais, falo da pirite. A chamada "Linha da Pirite" foi um projecto pensado por Alfredo da Silva e que se foi construindo ate ao fim da companhia. A partir da ustulação (queima) da pirite se fabricava o ácido sulfúrico, consequentemente desse processo resultavam cinzas, cinzas essas ricas em cobre, zinco, cobalto bem como o ouro e a prata, isto só para mencionar algumas. Mais uma vez numa óptica de integração surgiram no Barreiro unidades químicas de recuperação desses metais (Metalurgia do Cobre, Ouro e Prata, o TCP- Tratamento de Cinzas de Pirite, Fabrica de Oxido de Zinco etc). Inserindo-se nesta mesma politica, observe-se o interessante aproveitamento dos gases das suas unidades fabris, através de centrais a vapor, de forma a criar energia. E neste capitulo poderia-se ainda enumerar muito mais coisas.

Li ainda afirmações como esta de que "A CUF nunca poderia sobreviver ao 25 de Abril e a abertura económica do país". Achei de facto curiosa esta afirmação, sobre precisamente um dos poucos grupos económicos do país, que estava mais que preparado para a competição (tanto interna como internacionalmente) e se assim não fosse, tal como mencionei uns parágrafos acima, nos anos 50 e 60 já ela exportava em força para o estrangeiro. O seu binómio de qualidade/preço permitia-a colocar os seus adubos e outros produtos um pouco por todo o mundo a preços muito competitivos. Precisamente por ser tão tecnologicamente avançada no seu tempo, como uma BAYER, uma B.A.S.F., ou uma I.C.I., permitia-a rivalizar com reputadas marcas internacionais, com as quais alias chegou a constituir empresas, através de join-ventures.
Não nos podemos esquecer que será pela mão da CUF que a famosa consultor Mckinsey, veio ao nosso país, e esta tentou precisamente definir um programa de internacionalização da CUF por sectores. Será precisamente em plena época de internacionalização do Grupo, e que este mais necessitava de estabilidade económica, (até porque não podemos esquecer do choque petrolífero ocorrido em 1973 e que irá condicionar fortemente e economia e as actividades ligada ao ouro-negro.) surgiu a revolução de 25 de Abril de 1974, e o consequente processo das nacionalizações que puseram um travão e esse e aos vários projectos da empresa: A nova refinaria e o novo complexo químico-adubeiro de Sines, o estaleiro da Setenave, ou a FISIPE. Não tenho duvida de que se as coisas tivessem sido diferentes, e outra a transição para a democracia, hoje o Grupo CUF seria a primeira multinacional portuguesa. Em 1975 o Grupo CUF era um grupo económico tão complexo e evoluído que os governos de então tiveram de criar um decreto-lei exclusivo para a nacionalização da empresa, a partir da sua holding - a SOGEFI. Hoje em dia quando olho para empresas como a BAYER (Alemanha), a TATA (Índia), a Mitshubishi (Japão) ou a Hyunday (Coreia do Sul), enormes gigantes industriais, divididos em múltiplas divisões e empresas, olhamos precisamente para aquilo que foi no nosso país uma CUF. E se a titulo de exemplo a Huynday, contribuiu fortemente para a ascenção da Coreia a estatuto de economia desenvolvida, o mesmo se poderia ter passado em Portugal com a CUF.

P.S. - Haveria ainda muito para falar e relatar, mas para nao tornar o texto maçudo despeço-me por aqui.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

A Morte de um Capitão da Indústria - José Manuel de Mello 1927-2009

O País ficou hoje mais pobre. José Manuel de Mello, homem integro, faleceu aos 81 anos. Fecha-se um Ciclo. Hoje em Portugal temos muitos empresários, mas Industriais, esses temos já muito poucos, e José de Mello foi um desses homens, que conheceu a Industria Portuguesa por dentro. Homem da geração dos grandes complexos industriais, da química pesada, dos estaleiros navais, á navegação, juntamente como o seu irmão (Jorge de Mello) continuaram a dinâmica, herdada dos seus antecessores no então Grupo CUF, dando-lhe grande impulso e vitalidade até 1975, ano derradeiro da nacionalização do grupo. Homem de desafios, começou cedo a sua vida industrial, aos 21 anos, já estava em Chipre, a tratar das exportações dos produtos da CUF para o Médio-Oriente. Desde cedo é um apaixonado pelo mar, tendo como sonho fazer uma volta ao Mundo num veleiro, quando nos anos 60 os irmãos são chamados a ocupar, cargos de administração na empresa, José de Mello, inclina-se de imediato para a área da navegação. Percebendo as potencialidades que Portugal poderia ter na Construção e Reparação Naval, lança-se no projecto da Lisnave, que foi verdadeiramente o primeiro empreendimento nacional totalmente virado para o estrangeiro, atraindo capitais de Suecos, Noruegueses e Dinamarqueses, surgindo a CUF como testa de ponte. Certo é que apenas passados 2 anos da sua fundação, em 1969 a Lisnave, detinha 30% da reparação mundial de navios até 300 mil toneladas, um feito histórico, tornando Almada na maior estação de serviço de navios a nível mundial. Rapidamente o projecto tornou-se pequeno, anos depois, é a vez de se pensar num gigantesco estaleiro no estuário do Sado (SETENAVE) vocacionado para a construção de navios, que viria a ser inaugurado já muito perto do 25 de Abril e que nunca produziu a 100% devido aos tempos conturbados do PREC das lutas internas e dos Choques Petrolíferos. Também a Lisnave se expande, de forma a controlar as rotas do petróleo, depois da Margueira, surge, Bahrein, Jeddah, ou Curaçau, mas também aqui a revolução cortou os pés ao seu futuro promissor, e amargurado com os sucessivos governos, abandona a empresa no ano 2000. Outra das suas paixões era a Banca, promove em 1961 a fusão do Banco Totta, com o Banco Aliança do Porto, dando origem ao Totta-Aliança, para anos mais tarde (1970) criar o Banco Totta & Açores, através da fusão do Totta-Aliança, com o Lisboa & Açores, no pós 25 de abril, voltará a banca, através da criação do Banco Mello, e depois através do BCP.
Nas vésperas do 25 de Abril o Grupo CUF encontrava-se num amplo processo de internacionalização, e sendo ela o expoente máximo do capitalismo em Portugal, foi pois natural que os irmãos Mello fossem alvos de invejas e ódios, nas manifestações desses tempos conturbados chegaram a ouvir-se expressões como "Morram os Mellos". O seu irmão Jorge foi preso a 12 de Março de 1975 e levado para Caxias, onde passou uma semana, enquanto o império CUF era desmembrado a golpes de decreto-lei, através das nacionalizações. Nesse mesmo dia José de Mello dirigia-se ao aeroporto, para uma reunião da Lisnave a efectuar em Paris, não embarcou no avião, sendo retido pelos militares que o mandam para casa. Nesse período tenta ainda criar com mais alguns empresários o MDES (Movimento Dinamizador Empresa-Sociedade) que pretendia apresentar um programa de evolução económica em democracia. Na voragem das nacionalizações restou-lhe apenas 14% da Lisnave, com o apoio dos seus parceiros estrangeiros. Nos anos 80 com o fim das restrições á iniciativa privada José de Mello volta a reinvestir, compra a Sociedade Financeira Portuguesa, e transforma-a no Banco Mello, no inicio da década de 90 paga 25 milhões de contos por 50% da Seguradora Império. Uns anos depois, com o sucesso da OPA do BCP ao Banco Mello, passa a deter nesta instituição bancária uma participação de relevo. Entretanto o Grupo José de Mello expande-se para área como a Brisa, a Saúde (Hospitais e Clínicas CUF) EFACEC etc.

Termino com uma frase de José Manuel de Mello que diz muito do seu pensamento.

"Queremos marchar na senda do progresso e da constante elevação do nível de vida. Só assim os nossos filhos e as gerações futuras compreenderão a nossa acção, pois só assim seremos coerentes com o próprio desejo de trabalhar na dignificação da pessoa humana"

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Participação da CUF na construção da Barragem do Maranhão em Aviz

É sabido que durante as décadas de 40, 50 e 60, os Governos do país, fizeram uma grande aposta na chamada Hidráulica Agrícola, ou seja, a criação de obras de rega, compostas, por barragens, com canais de irrigação, beneficiando centenas/milhares de hectares, melhorando e introduzindo novas culturas agrícolas. O mais ambicioso de todos foi o chamado Plano de Rega do Alentejo, aproveitando as ribeiras do Roxo, e os Rios Caia, Divor, e Mira.

No âmbito dessa politica foi inaugurada em 1957 a Barragem do Maranhão, situada em Aviz (Portalegre) com uma capacidade de 205,4 hm³, beneficiando uma área de 1960 hectares. Possui uma central hidroeléctrica que produz em ano médio 13,1 GWh. A CUF através da sua Divisão de Metalo-Mecânica, forneceu as comportas para os descarregadores desta Barragem, e em conjunto com a firma SOFOMIL procedeu á sua montagem. Aqui ficam dois anúncios do acontecimento.



domingo, 30 de agosto de 2009

Noticias do Grupo CUF na imprensa 2

No inicio dos anos 70, apareceu entre nós uma belíssima revista de informaçao, chamada "Observador" concorria directamente com a "Vida Mundial" e se as olhar-mos com a distancia necessária, foram as precursoras das revistas de informação actuais, tais como a "Visão" ou a "Sábado". Pois bem aquilo que hoje vos trago é precisamente uma noticia retirada do "Observador" nº 72 de 30 de Junho de 1972. Para ler basta clicar na imagem para esta aumentar:



Como se pode observar, esta noticia, descrevia a inauguração de uma nova unidade de fabrico de Ácido Sulfúrico (vulgarmente conhecida por Contacto 6) com uma capacidade diária de 625 toneladas/dia. Fabrica essa como se poder ler no artigo detinha já tecnologia CUF (esta não foi a primeira vez que se utilizou tecnologia própria, já em 1960 a fabrica Contacto 2 tinha tecnologia CUF) e num esforço continuo de eliminação ao máximo da sua poluição, de forma a oferecer aos barreirenses uma melhor qualidade de vida. Aliás ao longo dos tempos a Administração da CUF sempre foi buscar ao estrangeiro o que de melhor e mais moderno havia, de forma a reduzir a sua poluição fabril, alias nos anos 60 a CUF dispunha de um sistema de controlo do ar na vila do Barreiro.

Fala-se também da necessidade de exportar a grande maioria da produção desta nova unidade que seria excedentaria ao consumo nacional, nada que a empresa não tivesse previsto, não nos podemos esquecer que em 1971, tinha sido fundada a Interacid Inc. com sede na Suiça, precisamente com o objectivo de colocar o seu ácido sulfúrico nos circuitos internacionais.

Menciona-se no final desta noticia os problemas de urbanização do concelho do Barreiro, resultado da construção desordenada, construíram-se bairros junto ao Complexo Industrial da CUF, quando nunca ali deveriam ter sido erigidos. Quem vá hoje ao Barreiro pode observar ainda hoje com os seus olhos esses erros.

Por ultimo deixo-vos umas fotografias impressionantes do Contacto 6 que na época era a unica do Mundo a funcionar pelo processo BASF usando fornos de leito turbulento em série.



segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Cinzeiro da Companhia Industrial Portuguesa












Como já foi anteriormente dito neste blogue o Grupo CUF tomou posição dominante da C.I.P. em 1955. Esta fabrica esta situada na Póvoa de Santa Iria perto de Vila Franca. Contudo a C.I.P. não ficou somente conhecida pelos seus adubos, e acido sulfúrico, a industria vidreira era uma área com grande tradição na empresa. Ao pesquisar um pouco sobre esta empresa na internet, surpreendeu-me encontrar fotografias desta unidade fabril. Quem desejar ver este enorme acervo fotográfico do fotógrafo Horácio de Novais basta clicar aqui: Edifícios Industriais pertença da Fundação Calouste Gulbenkian.

Sobre as fotos estes devem ser essencialmente da década de 30 (anterior á entrada da CUF na empresa). São mais um belo testemunho de outros tempos, e de como era nessa época a Industria desses tempos.

Vista Geral da Fábrica


Outra Vista Geral da Fabrica


Vista da Unidade de Fabrico de Ácido Sulfúrico (Processo de Câmaras)


Nova vista do mesmo edifico de outra perspectiva


Câmaras para o Fabrico do Ácido Sulfúrico


Fornos de Queima da Pirite


Outra perspectiva do mesmo forno


Fontes: Fotografias da CIP pertencente ao espólio de Horácio Novais