terça-feira, 8 de março de 2011

Programa da Liga de Instrução e Recreio CUF (1940)

No meio fabril do finais do Séc. XIX princípios de XX era muito frequente surgirem, agremiações desportivas e culturais das fluorescentes cinturas industriais das grandes cidades do país. E quem conheça um pouco da história do Barreiro, sabe que nesta terra mais do que outras a cultura e o peso das agremiações na vida do Concelho foi um facto presente até há bem pouco tempo. Desde cedo ali se fundaram, Sociedades Filarmónicas, Clubes de Futebol, Clubes Recreativos, com o intuito de dar instrução e outros benefícios a essas gentes.

A Liga de Instrução e Recreio CUF

Desde o inicio da laboração do Complexo do Barreiro, por iniciativa do seu operariado se tentou criar um sociedade de instrução e recreio, ideia esta que acabou por chegar aos ouvidos do próprio Alfredo da Silva. Conta-se que este terá falado com João Silva (um delegado administrativo da Companhia) que ficou responsável pela aquisição de instrumentos musicais. Surgindo assim a Academia Recreativa e Musical do Pessoal da Companhia União Fabril, que inicialmente era composta por uma Tuna de cordas, passando mais tarde a Banda Musical.

Nos anos 10 a sua sede ficava junto da antiga Dispensa da Empresa, mas com a construção da 2ª fase do Bairro Operário, esta  mudar-se-á para um edifício mais apropriado à sua função, sendo rebaptizada de Liga de Instrução e Recreio CUF. A sua banda de música foi formada pelas seguintes pessoas: Francisco Carlos de Oliveira Padrão, José Veloso, Manuel Duarte. Em 1941 esta Liga é integrada no Grupo Desportivo da CUF.




Mas como se pode ver neste programa que vos apresento, para alem de Banda de Musica, esta Liga teria também actividades cénicas. Neste caso o programa a apresentar era um Cegada em honra a um dos membros da colectividade, de seu nome António Graça.. Observe-se que esta cegada estava autorizada, para tal foi preciso pagar-se 1$10 à Repartição de Finanças do Barreiro!


Mas o que era um a Cegada?

A primeira vez que ouvi falar no termo "Cegada" é precisamente no Filme "A Canção de Lisboa" de Cotinelli Telmo de 1933. Não sei se estão recordados daquela cena em que o Senhorio de Vasco Leitão (Vasco Santana)lhe coloca todo o seu mobiliário no meio da Rua e este começa a cantarolar, ao que atraídos por essa cantilena se junta ao seu redor um magote de pessoas. No final aparece o policia que sopra no apito e pergunta algo do género "Vamos lá saber onde está a licença para esta cegada!" Lembram-se? Penso que é uma excelente forma de ilustrar o que eram as cegadas.

E aqui fica um interessante texto escrito José Lúcio sobre as cegadas:   

Existiram vários tipos de "Cegadas". Não havendo uma data rigorosa para o seu aparecimento eu arrisco a data de 1880 para o aparecimento dos primeiros espectáculos de rua, cantadas em tom maior, em FADO Corrido. As "Cegadas não eram mais que uma crítica, cantada em verso, dos costumes e desavenças da época. Nela participavam quatro homens, um, vestido com saias que representava a mulher do lupanar, cantadeira e mulher de vida fácil, outra personagem o Janota, também conhecido pelo "pagantes" (que só pagava quando a sua protegida lhe fornecia empréstimo a fundo perdido). Participava também um polícia que empunhava uma espada de pau e tinha por função manter ou provocar a desordem e finalmente o Galego. Foram muitos os Galegos que emigraram para Lisboa. Faziam os trabalhos que ninguém queria, muitos deles conseguiram subir na vida e ainda existem hoje em Lisboa muitos restaurantes dessa proveniência. Durante os três dias do Entrudo estas boas almas, de bolsos depenados, actuavam nos bairros de Lisboa onde a populaça assistia em redondel e os mais privilegiados, não fosse o Diabo tecê-las, assistiam a estas fadistices de rua nos seus camarotes (nas janelas dos prédios que circundavam o local onde a "Cegada" tinha lugar), no final, os quatro actores diziam a célebre frase "cinco reis, dê reis, tudo é dinheiro". Como nem sempre os assuntos versejados eram do agrado do auditório, havia sempre alguém que se picava, em geral a pancadaria final fazia inveja aos produtores de filmes de Cowboys americanos. Ou porque os actores se cansaram das nódoas negras, dadas sem intenção pelas cargas policiais, ou porque o FADO se tornou mais polido, as "Cegadas" tornaram-se dramáticas e passaram a evocar situações históricas cantadas em tom menor, mais propício ao ambiente evocado. Serviam de tema o drama de D. Inês, o exílio de Camões ou o nevoeiro que impediu o regresso de D. Sebastião. Quando a República passou a ter os seus adeptos e Marx e Lenine começaram a ser lidos, as "Cegadas" começaram a ser políticas e serviam de campanha política para a sensibilização da opinião pública para a queda da Monarquia. Já agora, permitam-me o aparte: terá alguma coisa a ver com o assunto as campanhas política actuais serem uma grande cegada? O FADO serviu, uns anos antes da queda da Monarquia em 1910, como canção política. A provar esta afirmação João Black, socialista republicano que começou a cantar em1893, deslocava-se muitas vezes ao Alentejo para cantar os seus Alexandrinos políticos, a que ele chamava cantigas ao domicílio. Se vivesse na época actual eu chamar-lhe-ia especialista em presidências abertas.

P.S - Agradeço ao meu amigo Carlos Caria que teve a gentileza de me oferecer esta relíquia.


Nenhum comentário: