quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Os Salões de Arte Fotográfica do Grupo Desportivo da CUF

Este é um post para os amantes das Artes, neste caso particular, o da Fotografia. Nascida na segunda metade do séc XIX, esta veio generalizando-se até aos nossos dias. É hoje utilizada como bem sabemos no Comércio, na Indústria, na Instrução, nas Comunicações, na Medicina, na Ciência em geral, na vida familiar, ela está um pouco por todo o lado. A Fotografia Artística pode conceder a maior satisfação, uma vez que ela permite ao fotógrafo actuar livremente com o seu sentido de pensamento, expressão e interpretação.

A ideia destes salões nasceu através da Secção Fotográfica do Grupo Desportivo da CUF, sendo fortemente impulsionados pelo Agente Técnico de Engenharia Eduardo Harrington Sena e o Eng. Vítor Manuel Chagas dos Santos.

O primeiro Salão data de 1951, sendo ainda de características internas (ou seja apenas reservado aos respectivos sócios do G.D. da CUF) mesmo assim contou com 113 fotografias a preto e branco, sendo expostas 11 fotos. Passado um ano o Salão era já Nacional, recebendo 341 fotografias a preto e branco de 64 autores, sendo 190 fotos expostas.

Começou a ganhar de ano para ano maior notoriedade, até que em 1955 aquando do seu V Salão, os responsáveis decidiram aumentar a fasquia, tornando-o num Salão Internacional, que apesar dos seus altos e baixos, soube ganhar fama a nível mundial, atraindo fotógrafos de todo o Mundo. De tal forma que chegou a ser atribuído ao certame o título de "Salão Estrela" (Star Salon - distinção concedida pela Photographic Society of America, aos salões de nível relevante).

As exposições tiveram sempre lugar no Barreiro, já de si famoso internacionalmente pelo seu complexo fabril, juntando-se a ele agora as Artes Fotográficas. Ao longo dos tempos estes salões tiveram vários locais de exposição, primeiro no "hall" do Cinema Ginásio na CUF, aí por alturas de 1968, mudou para as instalações do então Liceu Nacional de Setúbal (Secção do Barreiro) e por volta de 1972 mudou-se para as recém inauguradas instalações do Pavilhão Gimnodesportivo do Grupo Desportivo da CUF (também conhecido pelo Pavilhão dos Trabalhadores) e por aí permaneceu até 1974 ano do derradeiro Salão de Arte Fotográfica sendo o seu 19º Internacional.

Vamos pois, dar uma "espreitadela" ao 6º Salão de Arte Fotográfica do Grupo Desportivo da CUF sendo o seu 2º a nível Internacional, que esteve patente no Cinema Ginásio entre 22 de Dezembro de 1956 e 7 de Janeiro de 1957.

O Salão dividia-se em 3 Secções, a A - Fotografias a Preto e Branco, sendo recebidas 1564 fotografias de 412 autores, vindos dos quatro cantos do mundo, a B - Fotografias a Cores, com77 fotografias de 23 autores maioritariamente da Europa Ocidental e EUA e por fim a C - Diapositivos a Cores, contando com 308 diapositivos de 77 concorrentes, que vinha desde o Alasca, Áustria, Finlândia, México e Hungria só para enumerar alguns países.

Comissão Directiva do Certame:

  • Eng. António Oliveira Bernardo
  • Augusto Cabrita
  • Ag. Técn. Engª Manuel Mascarenhas
  • Eng. Vitor M. Chagas dos Santos
  • Ag. Técn. Engª Eduardo H. Sena
Júri do Salão:

  • Augusto Cabrita
  • Eng. Vitor M. Chagas dos Santos
  • Ag. Técn. Engª Eduardo H. Sena

Após esta breve introdução passemos às fotografias que espero que sejam do agrado de todos















Abstract Dance ************* Linhas Incidentes
Wellington Lee - E.U.A. *********** Fernando S. Taborda - Portugal














Campino ******************* Bildhauer
Bernardino Cadete - Portugal **************** Fridrich Pitz - Alemanha














The Work Done*************************Profile of a Sea-Dog
Bela Kalmán - Hungria*******************Dr. Frank Neubert - Inglaterra















Vicio*********************************Grace Iberique
Eduardo Luís Gomes - Portugal****************Paul Sinclair - França














Macedonian Sword Dance***********************Modernistic
Oto Hohnjec - Jugoslávia*************************Wellington Lee - EUA














Act**********************************The Countryman
Józef Németh - Hungria*****************Thomas Middleton - Inglaterra













The Critique************************May-Louise Flodin
Rhodes Tremeer - África do Sul*******Ann-Marie Gripman - Suécia














Hilkka*************************************Sedução
Trond Hedstrom - Finlândia****************António Paixão - Portugal













Rowing On*************************Rota de Prata

Fan Ho - Hong Kong**************Eduardo Harrington Sena - Portugal














Fúria*****************************Lobo do Mar
Victor M. Chagas dos Santos - Portugal**Augusto Cabrita - Portugal














Velas no Areal********************Brumas da História

Artur Pastor - Portugal**********************A. Rosa Casaco - Portugal


4 comentários:

lucia disse...

verdadeiras obras primas estas que nos apresentas. obrigada

Lúcia

Nuno França disse...

Gostei imenso das fotografias todas mas, especialmente e por razões obvias a do meu Avô Vitor Manuel Chagas dos Santos.
Gostava de saber se consegues arranjar mais fotos dele porque tirando esta "Fúria" (que está pendurada na sala da minha mãe) só conheço/tenho mais cinco ou seis fotos.
Um obrigado muito sincero pelas fotos e por os textos que falam de uma pessoa que eu sempre admirei muito mas que infelizmente, só tive o prazer de privar com ele até aos meus 14 anos.
Nuno Maria Chagas dos Santos Correia e França

Alexandre Pomar disse...

Seria bom corrigir a versão que aqui se afirma: "A ideia destes salões nasceu através da Secção Fotográfica do Grupo Desportivo da CUF, sendo fortemente impulsionados pelo Agente Técnico de Engenharia Eduardo Harrington Sena e o Eng. Vítor Manuel Chagas dos Santos. O primeiro Salão data de 1951..." De facto um 1º Salão foi promovido pelo Jornal do Barreiro (inaugurado a 10 de Nov. de 1950 na sede do Clube 22 de Novembro), e nele se premiou Adelino Lyon de Castro, e também Augusto Cabrita. O sentido neo-realista da iniciativa (orientada pelo arq. Cabeça Padrão) terá justificado a passagem do certame para a dependência do Grupo Desportivo da CUF (em 1951, limitado aos sócios o 1º Salão). É uma história que valia a pena investigar, e que tem a ver com política e com a defesa da "fotografia pura".

Diogo Margarido disse...

Pegando nas palavras de Alexandre Pomar , concordo plenamente com a necessidade de investigar e escrever esta história . História essa que por vezes confundo com a minha própria história , pois sou filha de Diogo Margarido que tendo ingressado na CUF em 1952 , desde 1957 acompanhou a organizaçºao destes Salões. Sendo ele igualmente fotografo desde 1950 , a fotografia é uma das "linguas" que eu falo.E foi com agrado que vi este artigo, pois estou a trabalhar no espólio fotografico do meu pai ,percurso e história, e esta é sem duvida uma parte importante da História da Fotografia em Portugal.
M Dulce Margarido