sábado, 6 de setembro de 2008

A CUF e o Barreiro, parte 2

Venho-vos apresentar a segunda parte de um estudo que ando a fazer e que é da máxima importância para se perceber o sentido de responsabilidade social que nessa época a CUF já detinha. Ao longo de décadas a empresa em muito auxiliou o Barreiro, fosse na criação de escolas, verbas para o novo Hospital ou ainda restauro de locais de culto ou ajudas diversas a colectividades (das quais eu já falei num post anterior). Pois bem vou agora apresentar mais 3 exemplos dos auxílios prestado pela CUF às gentes do Barreiro.


Externato Diocesano D. Manuel de Mello


Em 1957 por iniciativa de alguns chefes de família trabalhadores na CUF, e devido ao aumento muito significativo do número de educandos que pretendiam continuar o seus estudos liceais, decidiram deste modo criar um colégio-liceu. Ideia que logo de imediato foi acarinhada pela Administração da CUF sendo esta de imediato estudada. Após conseguida a autorização oficial, a CUF entra em contacto com o Patriarcado de Lisboa para o encargo e direcção deste estabelecimento, recebendo resposta positiva a esse pedido. A empresa cede para o efeito um terreno que detinha na Quinta dos Casquilhos (Alto de Paiva) para a realização da obra, orçada em cerca de 4000 contos. O autor do projecto foi o arquitecto Formosinho Sanches, sendo iniciada em 1961 a cargo da construtora A. Silva & Silva do Seixal, ficando ainda nesse ano concluídas as instalações mais essenciais. Este colégio tinha a capacidade inicial para 600 alunos. No ano lectivo de 1964/65 criou este estabelecimento de ensino uma secção de instrução primária. Em 1972 a CUF põe à disposição do Ensino Oficial as instalações do Externato para nelas funcionar no novo Ano Lectivo de 1973/74 parte do Liceu Nacional do Barreiro. Devido a estas mudanças ainda no ano de 1973 o Externato D. Manuel de Mello é transferido para a Praça Paulo VI com Jardim-de-infância e Ensino Primário onde ainda hoje permanece. Quanto ao antigo local na Quinta dos Casquilhos foi definitivamente ocupado pelo Liceu do Barreiro, tendo hoje a designação de Escola Secundária do Barreiro.


O Novo Hospital


Desde 1935 que se estudava a implantação de um hospital no Barreiro de forma a corresponder com o aumento populacional de um centro urbano que ganhava cada vez maior importância. Mas será só pela Lei nº 2011 de 2 de Abril de 1946 que promulgava as bases da Organização Hospitalar do País que se designou para o Barreiro um Hospital Sub-Regional que seria equipado com um total de 77 camas, das quais 13 ficariam reservados para os serviços infecto-contagiosos. Entre 1947 e 1951 foram elaborados pelos serviços camarários vários estudos de localização deste novo Hospital, escolhendo-se um terreno de 6000 metros quadrados, junto à Rua D. Manuel I no local conhecido por Baixa do Convento. Durante a sua construção, chegam á Misericórdia do Barreiro donativos de várias entidades entre os quais os oferecidos pela CUF pela mão de D. Manuel de Mello e de seus filhos Jorge e José Manuel de Mello. Por volta de 1955 o Hospital sofre uma importante reconstrução do projecto inicial, sendo assim introduzidos novos serviços, o Laboratório de Análises Clínicas, importando um custo de 63 mil escudos, assim como a Sala de Raio X cujo o custo se elevou a mais de 400 contos, só sendo possível a sua realização devido á importante dádiva de D. Manuel de Mello á Misericórdia desta localidade. O Hospital é inaugurado em 1959 com o nome da Padroeira do Barreiro (Nossa Senhora do Rosário). Em Fevereiro desse ano é inaugurado solenemente junto ao Hospital o Busto de D. Manuel de Mello, um dos seus grandes beneméritos, na cerimónia esteve presente a sua filha D. Maria Cristina da Silva José de Mello Champalimaud, bem como o então Ministro da Saúde Dr. Henrique Martins de Carvalho.




A Capela de Santo António da Santa Casa da Misericórdia


Em 1955 resolveu-se reconstruir este antigo lugar de culto, para tal o edifício foi reduzido as suas quatro paredes. Seguindo um rigoroso plano de reconstrução e restauro, rebocaram-se as suas paredes, foram-lhe colocados azulejos também eles restaurados. Mais uma vez a CUF não ficou de fora, sendo o tecto, portas e bancos desta renovada capela (madeira bem como a mão-de-obra, trabalho estimado em 200 contos) uma oferta da empresa á Santa Casa da Misericórdia. A reabertura deste local de culto sob a invocação de Santo António, levou á necessidade de adquirir uma imagem do Santo que se crê ser do séc. XVIII e que depois de devidamente restaurada foi oferecida por D. Manuel de Mello a esta capela.





Fontes:

  • "O Barreiro Contemporâneo - A grande e progressiva Vila Industrial" Armando da Silva Pais, Vol. 1º, 1965
  • Foto do Busto de D. Manuel de Mello tirada por Marco Valente



1 comentário:

firix disse...

Muito interessante, não faço só comentário a este post mas sim a todo o blog, exelente trabalho, aprendi muita coisa que me passou ao lado da história da CUF no Barreiro, como cidadão barreirense fiquei supreendido como o optimo trabalho aqui apresentado...
Apenas lhe desejo a continuação de exelencia com novos trabalhos como este, cumprimentos:)