quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Alfredo da Silva faleceu há 65 anos

Alfredo da Silva faleceu no dia de hoje há 65 anos, deixando um império industrial fundado pelo seu cunho. Foi durante toda a sua vida um homem enérgico, e que nunca aceitou um “não” como resposta. Desde cedo teve de lutar para alcançar o topo, e nunca se esqueceu dos seus colaboradores e operários, como hoje infelizmente é usual fazer-se. Homem directo e sincero de poucas palavras, o seu habitat era sem duvida entre o seu escritório e junto das suas Fábricas.

Desde cedo e devido aos seus negócios viajou pela Europa onde visitou grandes complexos industriais, vindo a realizar no Barreiro um complexo industrial que podia rivalizar com qualquer outro na Europa ou mesmo no Mundo. Em Portugal a CUF veio introduzir novas formas de trabalho e novas profissões, o Complexo do Barreiro era um mundo em constante ebulição. Amado por muitos, temido por alguns, há quem diga que o Dr. Salazar, tinha medo da sua figura, por dizer nas suas palavras “querer andar depressa demais”. Mas isso como se sabe nunca foi impedimento para o génio de Alfredo da Silva, pode-se mesmo dizer que teria o chamado Toque de Midas.

Pelo meio também teve alguns projectos que falharam, o caso do arrendamento á CUF da Linha Sul e Sueste, ou nos anos 20 o negocio da Companhia Portuguesa de Rádio Marconi. Alfredo da Silva foi verdadeiramente o primeiro industrial com “I” num país com uma falta crónica de indústria. Havia uma frase que dizia “O que o País não tem, a CUF produz” e durante décadas foi uma verdade, contribuindo assim para um melhor desempenho económico do pais, passando em vez de importar certos produtos, a exporta-los.

As suas politicas socais eram exemplares, numa época onde a CUF se substituiu aos deveres sociais do Estado. Bairros Operários, Refeitórios, Centro Medico, Escolas faziam parte de equipamentos de bem-estar construídos para a então chamada Família Cufista. E quando Alfredo da Silva faleceu havia ainda tanto por realizar por planear. Mas esse trabalho foi feito pelos seus seguidores que sempre estiveram à sua altura. Ao seu funeral compareceram centenas, de empregados, e figuras públicas. Para esse dia deixou em testamento como ultima vontade que as suas fábricas não parassem em seu sinal de luto, até na morte Alfredo da Silva se preocupava com as suas fábricas.

Desapareceu um dos maiores vultos da Industria Portuguesa a 22 de Agosto de 1942, um Capitão da Indústria, pena é que homens como este só apareçam raramente. De quantos Alfredos da Silva precisava hoje este país que se encontra num marasmo económico e quase sem indústria? De quantos homens deste génio precisávamos nós agora, com ideias e com força para mover e fazer uma nova arrancada neste país? De quantos Alfredos da Silva precisávamos para mudar a forma de olhar o país, e de se criar um nova justiça social para os trabalhadores? Vou termirar este texto como uma frase sua que é uma grande verdade e que define bem o seu génio:

"O que tivemos que Lutar… Foi Muito, não é ocasião para se enumerar, conseguiu-se, é o principal.”

4 comentários:

Catarina disse...

Alfredo da Silva é um exemplo de que nada se faz sem amor,coragem,e luta... obrigada a este sr por tudo o que fez ao pais como é demonstado pelo Ricardo nas seguintes palavras:
"....O que o País não tem, a CUF produz” e durante décadas foi uma verdade, contribuindo assim para um melhor desempenho económico do pais, passando em vez de importar certos produtos, a exporta-los..."

David Garcia disse...

De facto, se houve grandes patriotas no mundo da economia nacional e dos negócios de Portugal, um deles foi sem dúvida, o grande Alfredo da Silva.
Tomara muitas e certas cabeças iluminadas deste país que nos governam terem a sabedoria e o fulgor patriótico que Alfredo da Silva teve em vida e os seus seguidores também tiveram na CUF.
Deus o tenha em bom lugar!

catarina disse...

Só mais uma coisa que me esqueci de mencionar,que descanse em paz....

Anônimo disse...

Grande texto Ricardo!!!
Mais uma vez Parabêns e continua com este teu excelente trabalho

Joaquim Santos
Alerta1143